Seja bem-vindo. 22 de maio de 2024 03:14
Previous slide
Next slide

Grupo de pedófilos obrigava crianças a cometerem atos sexuais pela web

Alguns membros do grupo coagiam e forçavam crianças a praticarem, em si, atos de cunho sexual e as ameaçavam caso não obedecessem

Uma rede criminosa que atuava na internet cometendo estupro virtual contra crianças em todo o país, foi alvo de uma operação conjunta entre a Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC), com o apoio do Instituto de Criminalística (IC) e do CyberLab, do Ministério da Justiça, nesta terça-feira (30/4). Um homem, de 21 anos, foi preso em flagrante.

O suspeito é apontado nas investigações como integrante de grupo e canal, dentro de plataforma na internet, que veiculava estritamente arquivos de pornografia infantil. De acordo com as investigações, alguns membros do grupo coagiam e forçavam crianças a praticarem, em si, atos de cunho sexual e as ameaçavam. Caso resistissem, iriam vazar arquivos íntimos para familiares.

Durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão, os policiais apreenderam computador, aparelho celular e pen-drive do investigado que continham diversos arquivos de pornográfica infantil. Já na delegacia, o autor confessou que integrava a canal de pedofilia da plataforma da internet, já tendo transmitido arquivos de pornografia infantil em tempo real no grupo identificado.

Na residência do criminoso, foi encontrado aparelho celular e outros dispositivos que serão periciados e que fortificam os elementos trazidos na investigação , os quais apontam para a prática reiterada de pedofilia”, explicou o delegado-chefe da DRCC, João Guilherme Carvalho.

O canal e servidor da plataforma da internet já foram retirados e extintos. As ações das polícias civis contaram com o apoio do CyberLab do Ministério da Justiça para organização e deflagração simultânea da operação integrada.

O nome Athene (nome da operação) faz referência a uma espécie de coruja, popularmente conhecida como coruja-buraqueira, que defende o ninho voando em direção ao predador em potencial, atacando qualquer fonte de perigo. Assim, trata-se de uma analogia ao trabalho policial no combate ao abuso e exploração sexual infantojuvenil praticados por meio da internet.

Justiça manda soltar pedófilo que ficou conhecido como “AMIGO DO PARQUINHO” em Valparaíso.

A determinação para que seja colocado em liberdade o acusado “Amigo do parquinho”, foi encaminhado ao presídio local nesta sexta feira 19/04.

O Ministério Público do estado de Goiás através da Vara Criminal de Valparaíso, aceitou o habeas-corpus apresentado pela defesa do acusado e determinou que o homem seja solto e responda o processo em liberdade até que se conclua o processo. Na época em que foi preso, Leonardo Alves da Silva 40 anos que ficou conhecido como ” Amigo no Parquinho ”foi o flagrado através de conversas tendenciosos de cunho libidinosos com uma criança de 09 anos em um condomínio da cidade, onde Segundo ele, estaria passando alguns dias na casa da sua tia.

No dia que foi preso pela polícia militar 09/04 o homem brincou com várias crianças no parquinho do condomínio e teria pego o número do telefone de uma das crianças, quando começou a trocar mensagens de cunho sexual foi flagrado pela mãe da criança. Aproveitando da inocência da menina, ele marcou encontro momentos depois de pegar o número da criança para que ambos se encontrassem no parquinho, fato este que foi percebido pela mãe da menina que terminou na prisão do acusado.

Acusado de pedofilia “Amigo do Parquinho” brincou com crianças no condonínio antes de ser preso.

 apurou que no dia do flagrante, a autoridade policial à frente da Central de Flagrantes arbitrou uma fiança no valor de R$7 mil para que o acusado viesse a pagar, como não teria o recurso ele acabou descendo para o presídio local. Já no presídio outro valor foi estipulado pela justiça para que o acusado viesse ser colocado em liberdade mediante fiança, Como também não conseguiu pagar por não se dispor do valor, à justiça então aceitou o habeas-corpus da defesa do acusado alegando que ele não disponibiliza do valor, desta forma o homem foi colocado em liberdade sem pagar fiança e responderá ao processo nas ruas.

Saiba quem é o pedófilo preso pela policia civil acusado de beijar os seios de crianças em condomínio de Valparaíso.

Segundo a polícia civil, investigado aproveitava enquanto estas brincavam no condomínio para colocá-las no colo e assim tocar em seus seios e beijar suas bocas.

 Semelhante a matéria anterior escrita pelo radar valparaíso ( AMIGO DO PARQUINHO) a Polícia Civil do Estado de Goiás, através da Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher (DEAM) de Valparaíso, cumpriu na presente data (11.04.2024), uma prisão preventiva de EDSANDRO PEREIRA DA SILVA, de 44 anos. Pelo que foi colhido, o autor seria vizinho das vítimas em um condomínio residencial neste município, tendo abusado sexualmente de seis crianças, entre 04 a 13 anos de idade. Os fatos mais recentes ocorreram em março de 2024.

As infantes informaram que o investigado aproveitava enquanto estas brincavam no condomínio para colocá-las no colo e assim tocar em seus seios e beijar suas bocas, fatos que ocorreram por diversas vezes, sendo descoberto recentemente pelos seus responsáveis que se uniram para prestar depoimentos nesta delegacia.

O investigado, ao tomar conhecimento que os seus atos libidinosos, foram descobertos tomou rumo ignorado. Com base em tais informações, a Autoridade Policial responsável pelo inquérito, representou pela prisão do agente, a qual fora deferida e cumprida nesta data.

Em sua defesa, o interrogado negou ter abusado das crianças, sustentando que se tratava de mera brincadeira entre estas e que “as colocava no colo e perguntava que se estas gostassem investigado que desse um beijo na bochecha apenas”. O aparelho celular fora apreendido.

A foto do indiciado está sendo divulgada para a descoberta de outras vítimas e testemunhas ainda não identificadas, tendo em vista a grande quantidade de vítimas. DENUNCIE.

Conheça quem é o pedófilo ” AMIGO DO PARQUINHO ” que pedia fotos íntimas da criança em Valparaíso

Através do WhatsApp pedia para a criança fotos intimas, dos seios, vagina e dizendo que queria encontrá- la para lhe beijar.

Policiais militares do 20 batalhão em Valparaíso de goiás, foram acionados no início desta madrugada (10|04) para atender uma ocorrência de um suposto estupro de vulnerável no condomínio buritis 2 no setor de chácara Ypiranga A, no local os policias encontraram o acusado de marcar um encontro com uma criança de 9 anos, dominado por moradores que antes da chegada da polícia, foi lixado por moradores do condomínio revoltados com a situação.

Os policiais que atenderam a ocorrência tomaram conhecimento que, o acusado teria conseguido contato da vítima “menina de 9 anos”, quando começaram a troca de mensagens, no celular da criança apresentado na delegacia, o acusado, em conversa através do WhatsApp pedia para a criança fotos intimas, dos seios, vagina e dizendo que queria encontrá- la para lhe beijar.

A mãe da criança percebendo atitudes diferentes apresentada pela a filha, pegou o celular da criança e se deparou com toda a conversa, no intuído de flagrar e saber quem seria o pedófilo morador do condomínio, iniciou uma conversa com o suspeito se passando pela filha, o encontro foi marcado no início da madrugada no parquinho do condomínio, a mãe se passando pela a criança convenceu o acusado a se encontrarem.

Ele não esperava que quem iria lhe encontrar seria a mãe da criança e os moradores que ficaram sabendo do ocorrido, e se juntaram para darem o flagrante que acabou em lixamento até a chegada da policia militar, algemado e detido ele foi colocado na viatura e levado até delegacia onde foi atuado pelo o crime de estupro de vulnerável.

Por se tratar de um crime que envolva criança ou adolescente é considerado grave na esfera cível, foi arbitrada pela autoridade policial uma fiança no valor de (R$7 mil reais) como não conseguiu pagar, o acusado permanece preso e será encaminhado ao presídio local.

Pedofilia: bandido vende vídeos mediante Pix e envia “amostra grátis”

Mais de 70 policiais civis cumprem 16 mandados judiciais, durante operação em 11 cidades goianas

A Polícia Civil de Goiás (PCGO), por meio da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos, deflagrou, nesta terça-feira (20/2), a Operação Cameroceras, contra a produção e a comercialização de arquivos com conteúdo de exploração sexual infantil.

Há 70 policiais civis mobilizados, para cumprir 16 mandados judiciais em 11 cidades goianas – um deles de prisão preventiva, efetuada em Goiânia (GO).

A polícia detalhou que o investigado criava dezenas de grupos para venda de conteúdos com exploração sexual. Ele enviava convite e “amostras” dos materiais para, posteriormente, comercializá-los.

Em conversas com “clientes”, o criminoso dizia ter mais de 5 mil vídeos com imagens de abuso de menores e negociava a venda por R$ 100. Os investigadores tiveram acesso às mensagens com algumas das negociações.

Outras 15 pessoas foram alvo de mandados de busca e apreensão. Duas delas acabaram presas em flagrante por terem consigo, no momento da operação, vasto material de exploração sexual infantil.

As prisões em flagrante ocorreram nas cidades goianas de Senador Canedo e Mara Rosa. Os detidos foram levados para a carceragem e passarão por audiência de custódia.

Menina vítima de pedófilo da Asa Norte deve prestar depoimento nesta semana

Menina vítima de pedófilo da Asa Norte deve prestar depoimento nesta semana

A criança, de 12 anos, deve ser ouvida por policiais da 2ª DP (Asa Norte). Nesta segunda-feira, ela terá consulta para avaliar ferimentos

A menina de 12 anos, vítima do pedófilo Daniel Moraes Bittar, 42, deve prestar depoimento sobre o caso à Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) nesta semana. A reportagem apurou que, além da criança, outros familiares dela também devem ser ouvidos por policiais civis da 2ª Delegacia de Polícia (Asa Norte), que investiga o caso que chocou moradores do DF e do Entorno.

A menina vai passar por uma consulta, na tarde desta segunda-feira (3/7), com medico de um um hospital particular de Goiás, onde mora. A criança foi sequestrada por Daniel e a comparsa dele, Geisy de Sousa, no Jardim Ingá, bairro de Luziânia. Na última sexta-feira (30/6), ambos passaram por audiência de custódia e tiveram a prisão em flagrante convertida em preventiva. Eles são acusados de sequestrar, dopar e estuprar a criança.

Relembre o caso
Bittar foi preso, na noite da última quarta-feira (28/6) pela Polícia Militar do DF e de Goiás. A menina estava a caminho da escola quando foi raptada, no Jardim Ingá, cidade do entorno do Distrito Federal. A vítima foi levada para o apartamento do autor do crime, localizado na 411 Norte, dentro de uma mala.

Segundo os policiais do Grupo Tático Operacional do 3º Batalhão (Asa Norte), a garota foi encontrada seminua na cama com diversas escoriações pelo corpo e algemada pelos pés. A menina contou aos agentes que o homem usou uma faca para rendê-la e, em seguida, uma mulher colocou um pano com clorofórmio para dopá-la.

No apartamento de Bittar, os militares encontraram máquinas de choque, câmeras fotográficas, objetos sexuais e materiais pornográficos. A polícia suspeita que o pedófilo tenha filmado o estupro da garota. Os equipamentos eletrônicos foram apreendidos e passarão por uma perícia. Além dos itens sexuais e câmeras, os agentes encontraram também uma estufa para produção de maconha e um galão com clorofórmio.

Pedófilo tentou sequestrar outra menina 3 dias antes de raptar

A investigação da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) identificou que carro usado no sequestro de uma menina de 12 anos já rodava o local da residência de outra possível vítima, com a mala de viagem dentro do veículo, desde a última segunda-feira (26/6). O automóvel pertence a Daniel Moraes Bittar, 42 anos, suspeito preso acusado de raptar e 3stupr@r uma garota.

Antes dos crimes, o suspeito teria tentado sequestrar outra menina, de 14 anos. O alvo, porém, conseguiu fugir. O veículo foi visto próximo à casa da vítima em potencial. As informações foram divulgadas durante coletiva de imprensa, nesta sexta feira (30/6), por João Guilherme Medeiros de Carvalho, delegado-chefe da 2ª DP, que investiga o caso.

“Houve uma mudança de vontade. A investigação deixa muito nítido que o carro deles circunda a residência dessa [primeira] vítima desde segunda-feira. As pessoas viram o carro dele várias vezes. Ele coloca a mala de viagem na segunda. Há uma sinalização de que algo seria feito com essa outra vítima. Agora, o porque houve essa desistência momentânea, temos que clarear melhor”, conta Carvalho. O

Pedófilo : Líder do grupo de desbravadores de igreja evangêlica é preso por estupro em Valparaíso

Pedófilo : Líder do grupo de desbravadores de igreja evangêlica é preso por estupro em Valparaísono

Durante as investigações, polícia descobriu que o acusado participava de grupos em redes sociais com divulgação de pornografia infantil.

APolícia Civil, por meio da equipe da DEAM de Valparaiso de Goiás, cumpriu nesta quarta feira 01/03 mandados de prisão temporária e busca e apreensão de Frederico de Paiva Moreira, autor de crimes de estupro de vulnerável.

Após registro de ocorrência feito pela mãe da vítima, a policia civil colheu depoimentos que deu início as investigações preliminares, a partir dos quais foram formulados pedidos de prisão, busca e apreensão, quebra de sigilo de dados e depoimento especial da vítima.

A policia apurou que o investigado mantinha uma reputação acima de qualquer suspeita no trabalho, na vizinhança e especialmente na igreja que frequentava.

Frederico coordenava um grupo de crianças e adolescentes denominado Desbravadores, de uma unidade da Igreja de Valparaíso de Goiás. Ele participava do referido grupo de crianças e adolescentes desde 2015. Nessa condição, Frederico aliciou a vítima, com presentes e passeios, ganhou a confiança dos familiares dela e, assim, consumou os crimes nos momentos que teve a sós com a criança.

Durante a busca e apreensão, os policiais verificaram que na casa havia dois videogames (usados para se aproximar da vítima e possivelmente de outras crianças ou adolescentes) e um carrinho de controle remoto (o qual Frederico disse aos policiais que daria de presente à vítima). Além disso, os policiais constataram a existência de um lubrificante íntimo no local. Foram apreendidos um celular, um computador e um pendrive. Frederico participava de grupos, em redes sociais, com divulgação de pornografia infantil.

Feito o interrogatório e concluídas as formalidades de comunicação judicial das diligências, o autor foi encaminhado ao presídio municipal, onde se encontra à disposição da Justiça.

As investigações terão prosseguimento, inclusive em busca de novas possíveis vítimas. Considerando a alta probabilidade de existirem outras vítimas, a divulgação do nome e imagem do investigado tem respaldo na Lei n. 13.869/19 e na Portaria 547/2021 – PC, conforme despacho do Delegado de Polícia Titular da DEAM de Valparaíso de Goiás, responsável pelo inquérito.

Crédito: Radar Valparaíso