Seja bem-vindo. 26 de fevereiro de 2024 14:07
Previous
Next

Goiás: mãe apanha do filho ao pedir ajuda em afazeres domésticos

Goiás: mãe apanha do filho ao pedir ajuda em afazeres domésticos

Segundo a Polícia, a vítima relatou que já foi agredida em outras ocasiões, mas nunca denunciou o filho

Um homem de 29 anos foi preso por agredir a própria mãe, de 49 anos, depois que ela pediu ajuda com afazeres domésticos. O crime aconteceu em São Francisco de Goiás, nesta semana. A Polícia Civil investiga a violência.

De acordo com a corporação, a vítima relatou que já foi agredida em outras ocasiões, mas nunca denunciou o filho.

Ela narrou ainda que o homem faz uso de bebida alcoólica e que fica agressivo com frequência. A mulher disse, também, que é vítima constante de violência verbal do filho.

Na última quarta-feira (21), ela pediu ajuda ao filho para os afazeres de casa, momento em que ele se irritou e a agrediu.

Depois do crime, a mulher foi até a subdelegacia de São Francisco de Goiás e denunciou o filho. O homem foi preso em flagrante e responderá por violência doméstica.

HRAN ; Adolescente tem corpo incendiado por companheiro em crise de ciúmes

HRAN ; Adolescente tem corpo incendiado por companheiro em crise de ciúmes

Inicialmente, a adolescente disse que tinha se queimado ao fazer comida com álcool

Uma adolescente de 17 anos teve o corpo incendiado pelo companheiro, 36, após uma crise de ciúmes. O crime aconteceu na segunda-feira (22), em Santo Antônio do Descoberto, cidade goiana que fica no Entorno do Distrito Federal (DF). De acordo com informações da Polícia Civil, o homem teria tido uma crise de ciúmes e passou a agredir a adolescente com uma chave de fenda. Em seguida, jogou álcool e incendiou o corpo da vítima.

A jovem foi levada para uma unidade de saúde de Santo Antônio do Descoberto e precisou ser encaminhada ao Hospital Regional da Asa Norte (HRAN). Inicialmente, a adolescente disse que estava sem gás de cozinha em casa e que usou álcool para preparar uma refeição. Segundo a versão inicial, um tubo teria explodido e causou as queimaduras nela.

Depois que o companheiro deixou o hospital, porém, a vítima afirmou que o homem ateou fogo sobre o corpo dela, em razão de ciúmes. O suspeito, que fugiu após deixar a unidade de saúde, foi localizado em uma casa nas proximidades do local do crime. Ele foi preso em flagrante e levado à delegacia de Águas Lindas de Goiás. O homem negou a tentativa de feminicídio.
O caso será investigado.

CRIME EM SANTA MARIA

*PMDF-CCS*

*CRIME EM SANTA MARIA*

O crime foi por volta das 13h, no estacionamento da fisiologia do Hospital Regional de Santa Maria. A vítima é um servidor do hospital e foi alvejado por vários disparos enquanto estava dentro do carro. Ele veio a óbito no local que está preservado para a perícia da PCDF. Os autores ainda não foram identificados. A vítima tinha passagens criminais e já foi reconhecida pela família.

Morador filmado ao jogar casca de banana em porteiro já havia agredido a mulher com socos e tapas dentro de elevado, em Valparaíso de Goiás

Morador filmado ao jogar casca de banana em porteiro já havia agredido a mulher com socos e tapas dentro de elevado, em Valparaíso de Goiás

O morador registrado Alessandro Ribeiro Oliveira, filmado pelo sistema de monitoramento ao jogar uma casca de banana em um porteiro do condomínio em que mora, já havia agredido a mulher com socos e tapas dentro de um elevador, em Valparaíso de Goiás, no Entorno do Distrito Federal.

Noticiada por diversos veículos na época, a agressão aconteceu no dia 29 de dezembro de 2019, no condomínio Parque das Cachoeiras. Na época, o homem disse à polícia que estava embriagado no momento das agressõe, que não se lembrava do motivo de ter batido na vítima e que ficou “admirado” após ver o vídeo. Ele chegou a ser preso, mas foi solto.

Não conseguimos localizar a defesa dele para um posicionamento até a última atualização deste texto. Atualmente, o caso da agressão se encontra em segredo de Justiça, por isso, a reportagem não conseguiu atualizações sobre ele.

No um vídeo que mostra a agressão, o homem aparece com uma lata na mão. Em seguida, a porta se abre e, quando a mulher começa a entrar, ele a puxa pelo cabelo, joga contra a parede do elevador, que tem a proteção danificada.

Na sequência, dá vários socos e tapas contra ela, joga cerveja no rosto dela e esfrega a lata contra a vítima. As imagens foram encontradas pelo síndico, que pediu os registros após encontrar a proteção do elevador danificada. Na época das agressões, o casal tava junto há 13 anos.

O caso contra o porteiro Fabrício Pessêgo, de 31 anos, aconteceu no último dia 7 de novembro. À polícia, o profissional explicou que o morador jogou a casca de banana nele e o xingou depois de tentar entrar no prédio com um veículo não identificado. Um vídeo registrado por câmeras de segurança mostra o momento em que o morador entra na guarita e joga uma sacola junto ao porteiro.

“Me senti muito constrangido, desrespeitado, porque ele não quis respeitar minha função no momento de zelar pela segurança”, disse ao g1.
“Vai fazer sua função, pô. Não dá conta de uma, quer fazer duas? Está fazendo o quê na portaria se você não dá conta nem da sua função no bloco?”, disse o morador ao porteiro ao jogar a sacola.

O porteiro detalhou que a situação aconteceu porque o morador não teria gostado do fato de ter sido proibido de entrar no local em um veículo para desembarcar pessoas da família dele. No entanto, segundo Fabrício, esse veículo não estaria cadastrado no sistema. O porteiro explicou à polícia que todos os veículos de moradores do local devem possuir, por norma, adesivo de identificação ou registro junto a um sistema.

“Nosso condomínio tem um registro de veículos. O mesmo se negou já dirigindo palavras de baixo calão”, disse Fabrício.
Mesmo sem o cadastro, por se tratar de um morador, Fabrício acabou abrindo a cancela para que o morador entrasse no local. No entanto, o porteiro explica que, depois de desembarcar as pessoas do carro e estacionar novamente do lado de fora, o homem teria retornado e iniciado os xingamentos. Segundo Fabrício, pouco depois, o morador sai e volta novamente com o saco de casca de banana. O condomínio e a empresa terceirizada em que Fabrício atua como porteiro repudiaram o caso.

Fonte: G1

Falsa médica é presa por usar registro de profissional para fazer procedimentos estéticos, diz polícia

Falsa médica é presa por usar registro de profissional para fazer procedimentos estéticos, diz polícia

Nas redes sociais, Renata Costa Ribeiro dizia ser referência em remodelação corporal. Segundo a polícia, ela ficou em silêncio durante depoimento.

Uma mulher foi presa em flagrante suspeita de realizar procedimentos estéticos sem ter a formação necessária, em Goiânia. Segundo a Polícia Civil, Renata Costa Ribeiro usava o registro profissional de uma ginecologista e fazia atendimentos em uma clínica, no Setor Bela Vista.

O nosso veículo não localizou a defesa de Renata para se manifestar sobre o caso até a última atualização desta reportagem. Segundo a polícia, ela ficou em silêncio durante o depoimento.

O crime foi descoberto na segunda-feira (30), depois que uma médica procurou a delegacia para denunciar que o registro profissional dela estava sendo usado de forma indevida por outra mulher. Os policiais foram até o local indicado pela vítima e encontraram Renata conversando com uma paciente.

Essa paciente não quis representar contra ela, mas nós acabamos encontrando no local atestados médicos do SUS, que ela usava e carimbava com o CRM da médica verdadeira, para dar de atestado”, informou o delegado do caso, William Bretz.

Em conversa informal com a polícia, Renata admitiu que usava indevidamente o registro profissional da médica verdadeira. Segundo o delegado, ela chegou a argumentar que tinha conhecimento e sabia o que estava fazendo, apesar de não ter nenhuma formação na área.

“Ela diz que cursou medicina no Paraguai, mas não concluiu e diz que está estudando biomedicina. Mas não apresentou, até o momento, nenhuma comprovação disso”, afirmou o delegado.
Renata será investigada por falsificação de documento público e exercício ilegal da medicina.

Vítimas
De acordo com o delegado William Bretz, ainda não há informações sobre pacientes de Renata que tiveram complicações com os procedimentos. Por isso, a polícia está divulgando o nome e rosto da suspeita, para incentivar possíveis vítimas a denunciá-la.

“A clínica tinha boa aparência, mas uma perícia será feita para saber se há mais alguma irregularidade. Vale dizer que o maior risco é o fato de que ela não tem habilitação para realizar esses procedimentos, mas o local, aparentemente, não era tão insalubre”, afirmou.

“Referência em remodelação corporal”
Nas redes sociais, Renata somava mais de 6 mil seguidores e dizia ser referência em remodelação corporal, além de também oferecer cursos. Entre os procedimentos realizados estão: aplicação de botox, rinomodelação, harmonização corporal e até tratamento de flacidez pós parto.

Em uma publicação feita em 28 de setembro, uma mulher perguntou se o procedimento funcionava. A falsa médica marcou duas pacientes e uma delas respondeu: “Sou paciente da Dra há 6 ou 7 anos e só confio nela para fazer os procedimentos em mim”.

Pai suspeito de matar a filha empresária e balear o genro é preso, diz PM

  1. Pai suspeito de matar a filha empresária e balear o genro é preso, diz PM

Segundo a PM, o homem confessou que havia ido na casa da filha para matar a ex-esposa. A espingarda usada no crime também foi localizada e apreendida.

A Polícia Militar (PM) prendeu o mecânico Claudemar Bernardes da Silva, de 47 anos, na tarde de domingo (29), na zona rural de Ipameri, no sudeste goiano. O homem é suspeito de ter ferido o genro com um tiro e matado a filha Bruna Bernardes, de 23 anos, com outro disparo. A espingarda calibre 12 usada no crime também foi localizada e apreendida.

“Ele confessou o crime, sabe a besteira que fez. Queria ceifar a vida da ex-esposa”, detalhou o capitão da PM Wilson Martins.

Não localizamos a defesa de Claudemar para se manifestar sobre o caso até a última atualização desta reportagem.

Entenda o caso
O crime aconteceu na noite do último sábado (28), na casa onde Bruna morava com a mãe e o marido Max Uiller Silva, de 28 anos. Segundo informações preliminares das polícias Civil e Militar, Claudemar foi até a casa para matar a ex-esposa, mas foi impedido pelo genro.

“No momento em que Claudemar chegou lá, não deixaram ele entrar. Ele entrou em desentendimento com o genro, fecharam a porta, mas a filha dele estava do lado de dentro. Ele fez um disparo na porta e causou o óbito da filha dele”, explicou o capitão da PM.

Segundo a polícia, Max foi atingido na região do abdômen, enquanto Bruna foi baleada no pescoço.

O Corpo de Bombeiros informou que Bruna já estava morta quando os militares chegaram na casa. O corpo dela foi levado ao Instituto Médico Legal (IML) de Catalão e liberado para a retirada da funerária.

Já Max foi levado para o Hospital de Catalão Nasr Faiad. A unidade médica informou que o marido da empresária permanece internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas está estável.

Crime em família: pai segurou filho e implorou que não matasse o irmão

Após discussão sobre negócios de família, filho mais novo matou o mais velho diante da família, em Rio Verde (GO), a cerca de 430km do DF

Ao ver o filho mais novo começar a atirar contra o irmão mais velho, o pai dos envolvidos tentou evitar o crime, cometido em Rio Verde (GO) — a cerca de 430km do Distrito Federal — na tarde dessa segunda-feira (23/10).

Antes do homicídio, o pai segurou o atirador e suplicou para que o filho mais novo não disparasse, mas não foi ouvido. O criminoso, de 35 anos, acabou matando o irmão com cinco tiros, na frente da família, após uma discussão sobre negócios.

A polícia não divulgou as identidades dos envolvidos. Delegado responsável por investigar o caso, Adelson Candeo afirmou que o pai, a mãe e a irmã do atirador, além de uma criança de 2 anos, presenciaram o assassinato.

“O pai contou que, ao ouvir o primeiro disparo, o que jamais esperava, segurou o filho mais novo e pediu para que parrasse, mas não deu tempo”, detalhou o delegado. “Ele conseguiu dar outros quatro tiros. Ao menos três acertaram o irmão mais velho: um no peito, um na cabeça e um nas costas.”

A Polícia Civil de Goiás (PCGO) prendeu o suspeito poucas horas depois do crime, em um hotel em Santa Helena de Goiás (GO).

 

Caso Cinthia. Companheiro da servidora escreveu nas redes: “Matei ela”

Cinthia Maria Santos Domingues foi encontrada morta dentro de casa em 18 de setembro. Investigação corre em sigilo

A investigação da morte da servidora pública Cinthia Maria Santos Domingues de Oliveira, 42 anos, ganhou novo capítulo. O Metrópoles apurou que, momentos após a morte da servidora, uma amiga teria procurado o então companheiro de Cinthia, Eder Ubaldo de Lima Gonçalves, 42, e perguntado, por uma rede social, o que tinha acontecido com Cinthia. Eder teria respondido: “Matei ela”.

Após enviar a mensagem, Eder teria apagado. Porém, a amiga de Cinthia tirou print da conversa e mostrou à Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). As informações estariam anexadas ao processo do caso de Cinthia, que segue em sigilo.

Em depoimento à polícia, Eder teria dito que não se recorda da troca de mensagens com a amiga de Cinthia e que não sabe quem teria enviado a frase “matei ela”.

Fontes confirmaram à reportagem que o laudo preliminar produzido pelo Instituto Médico Legal (IML) aponta que Cinthia tinha sinais compatíveis com asfixia. O IML, porém, ainda aguarda os resultados de exames toxicológicos e de alcoolemia para concluir o exame.

Eder não chegou a ser preso pelo caso.

Mulher vai à Assistência Social de Valparaíso de Goiás, simula pedido de cesta básica e entrega carta denunciando marido por agressões, diz polícia

Mulher vai à Assistência Social de Valparaíso de Goiás, simula pedido de cesta básica e entrega carta denunciando marido por agressões, diz polícia

Homem foi preso suspeito do crime. Vítima disse que passou a noite sendo ameaçada de morte e teve a ideia para pedir ajuda.

Uma mulher de 30 anos procurou a Secretaria de Assistência Social, fingiu pedir uma cesta básica e entregou uma carta para denunciar o marido por agressão e por ser mantida presa em casa, em Valparaíso de Goiás. O homem, de 64 anos, foi preso em seguida suspeito dos crimes.

O nome do suspeito não foi divulgado e, com isso, não conseguimos identificar a defesa dele até a última atualização dessa reportagem.

A mulher foi à secretaria na quarta-feira (18) e disse que queria se cadastrar para receber uma cesta básica. Durante todo atendimento, o marido a seguia, a vigiando.

Sem que o homem percebesse, a vítima entregou uma carta dizendo que estava em um relacionamento abusivo e que era agredida, mantida trancada em casa, e ameaçada.

Na mensagem, ela escreveu que na noite anterior foi ameaçada de morte e que tinha medo pela sua vida e dos seus filhos. Com isso, decidiu fazer a carta e pedir socorro.

Ao receberem a carta, os servidores da secretaria chamaram as polícias Civil e Militar e o homem foi preso em flagrante. Ele foi levado para o presídio da cidade.

Pai é preso suspeito de se passar por professor para entrar na sala da filha com arma de choque e faca, em Goiânia

Pai é preso suspeito de se passar por professor para entrar na sala da filha com arma de choque e faca, em Goiânia

Homem usou um uniforme de funcionário para conseguir entrar na escola. Polícia ainda não sabe qual era a intenção do suspeito no local.

Um pai foi preso suspeito de se passar por professor para entrar na sala de aula da filha com uma arma de choque e uma faca, na manhã desta terça-feira (17) em Goiânia. Segundo a Polícia Militar (PM), o homem usava um uniforme de funcionário da escola, o que facilitou a entrada no local. Um vídeo de câmera de segurança mostra o momento em que o homem entra na sala de aula.

“Ele simulou que era professor, simulou que queria fazer oração e que queria fazer algo na sala. Ela [a filha] conseguiu identificá-lo e pediu apoio para a escola”, disse o tenente Wolney Ferreira em entrevista.

Até a última atualização desta reportagem, não conseguimos contato com a defesa do suspeito.

O tenente informou que ainda não se sabe a intenção do suspeito em entrar na escola e que ele não apresentou resistência no momento da prisão. A polícia ainda não tem conhecimento de como o homem conseguiu uniforme de funcionário da escola.

Em nota aos pais de alunos, o Colégio Shallon disse sentir muito pelo ocorrido e que a segurança no local reforçada e aprimorada (confira a nota na íntegra ao final do texto).

Ainda segundo o tenente, a mãe da adolescente de 15 anos contou aos policiais que é separada do suspeito e que a policia ainda não sabia qual era o tipo de relação do pai com a filha, mas ressaltou que a adolescente se assustou quando percebeu a presença do pai na sala de aula.

“A princípio, a mãe disse que estava separada dele [do suspeito] e que ele não tinha convivência com a filha. Nós ainda não temos propriedade para dizer como era esse relacionamento, mas o fato é que a filha foi assustada quando percebeu a presença dele. Então a gente entende que esse relacionamento não era muito satisfatório”, disse o tenente.

As armas brancas em posse do suspeito foram apreendidas. O pai da aluna foi encaminhado para a central de flagrantes.

Nota da escola na íntegra
Senhores pais e responsáveis.

A direção do Colégio Shallon, unidade Goiania 2, sente muito pelo incidente ocorrido na manhã da última segunda-feira 16/10/23. Um pai de uma aluna, do ensino médio, chegou na instituição usando um uniforme antigo de monitor, e segundo o segurança ele alegou que queria falar com a coordenação e teve acesso à sala da filha. Imediatamente o segurança chegou na sala e o pai foi retirado mas negou sair da escola.

A polícia militar foi chamada e o suspeito foi levado para delegacia. Devido o ocorrido a segurança na escola foi reforçada e aprimorada. A partir de agora a entrada na unidade está restrita aos colaboradores e alunos.

A direção agradece ainda aos pais pela compreensão e confiança na seriedade do trabalho oferecido, desde a qualidade da educação até a preocupação com a segurança dos alunos
A direção da escola se coloca à disposição dos pais, para qualquer esclarecimento.