Seja bem-vindo. 25 de fevereiro de 2024 13:10
Previous
Next

Vídeo. Bombeiro atira e atinge cabeça de mulher após confusão em bar

Caso aconteceu no domingo (28/1), em Alto Paraíso. Vítima estava em um carro

Uma confusão generalizada dentro de um bar acabou com uma mulher baleada na cabeça, na madrugada do último domingo (28/1), em Alto Paraíso, cidade da Chapada dos Veadeiros, em Goiás. Segundo a Polícia Civil goiana, o disparo que atingiu a vítima foi efetuado por um bombeiro militar do Distrito Federal.

Em um vídeo que circula nas redes sociais, é possível ver o momento em que as agressões começam, por volta de 0h47. Conforme as imagens, dois homens se estranham, trocam socos, e outras pessoas acabam se envolvendo na briga. A situação fica fora de controle e alguns dos envolvidos deixam o local, seguindo em direção a um carro.

Nesse momento, conforme flagrou uma segunda câmera de segurança, o militar saca uma arma e atira contra o veículo. O projétil atingiu a cabeça de uma mulher de 30 anos, que também seria moradora do DF.

Ela foi encaminhada ao Hospital de Base e precisou ser submetida a uma cirurgia de urgência.

De acordo com as gravações, após efetuar o disparo, o militar retorna com a arma para o bar. Um outro vídeo mostra o momento em que ele coloca a pistola em um balcão do comércio, mostra um documento a um funcionário do local e depois se retira.

A Polícia Militar foi chamada e prendeu o atirador em flagrante. Ele foi indiciado por tentativa de homicídio.

Homem é encontrado morto após confusão em festa de Ano-Novo em Valparaíso

Corpo de Anderson Davidis Teixeira foi encontrado próximo a boate onde ele comemorava o aniversário e o Réveillon, em Valparaíso (GO)

Uma família do Distrito Federal está à procura de respostas após um homem de 30 anos ser encontrado morto perto de uma boate no Jardim Oriente, em Valparaíso (GO), na madrugada dessa segunda-feira (1º/1). O caso é investigado pela Polícia Civil de Goiás (PCGO).

Anderson Davidis Teixeira estava na boate para comemorar a virada de ano e o próprio aniversário. No entanto, o que era para ser uma noite de celebração terminou de maneira trágica.

Em depoimento à PCGO, uma amiga que acompanhava Anderson contou que ele teria sido agredido e expulso da festa com chutes, murros e socos desferidos por cerca de quatro seguranças, pois teria tentado acessar o camarote da boate.

A amiga da vítima acrescentou que, no momento das agressões, ela havia se abaixado para procurar o celular de Anderson, que tinha caído ao chão, mas, ao se levantar, não o encontrou mais.

A depoente chegou a procurar pelo amigo nas redondezas da casa noturna, mas também não o achou. Ao retornar para a boate, um garçom teria dito que alguém parecido com Anderson havia sido encontrado morto em local próximo. No entanto, não soube dizer onde estaria o suposto corpo.

Sem saber a quem pedir mais informações, a amiga da vítima disse à polícia que pediu um carro por aplicativo para ir para casa e que, como estava com o celular de Anderson, entrou em contato com a família dele para relatar o ocorrido.

Testemunhas chegaram a acionar a Polícia Militar de Goiás (PMGO) para informar sobre um homem caído em via pública e que aparentava estar sem sinais vitais. No Instituto de Medicina Legal (IML), os parentes de Anderson confirmaram se tratar do jovem.

Imagens de câmeras de segurança próximas à boate gravaram o momento em que um homem cambaleava ao caminhar pela região. Pouco depois, ele perde o equilíbrio e caí ao chão.

Acionado para socorrê-lo, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) confirmou o óbito no local. O corpo da vítima não tinha sinais de violência, segundo os socorristas.

A certidão de óbito de Anderson detalha que a causa da morte depende de esclarecimentos por meio de exames complementares.

Em nota, a PCGO informou que abriu inquérito sobre o caso e que investiga o fato. “O dono do estabelecimento foi ouvido, e foi solicitado laudo pericial para verificação da causa da morte”, comunicou a corporação.

PM se envolve em confusão no trânsito e mata homem com tiro no rosto

O PM efetuou um disparo no rosto e outro no braço da vítima, identificada como Cledson de Caldas Souza. Caso aconteceu em Ceilândia

Um policial militar de folga matou um homem a tiros na noite desse domingo (31/12), após uma discussão no trânsito em Ceilândia, no Distrito Federal. O cabo Bruno Correa da Hora Fernandes efetuou um disparo no rosto e outro no braço da vítima, identificada como Cledson de Caldas Souza (foto em destaque). A 15ª Delegacia de Polícia (Ceilândia Centro) investiga o caso.

O policial estava acompanhado da esposa e um casal de amigos. O grupo decidiu lanchar em um estabelecimento da CNM 1.

No local, havia um motorista de um Gol, que aparentava estar alterado e importunava funcionários e clientes, segundo relataram testemunhas no boletim de ocorrência.

De acordo com os depoimentos, Bruno teria ido conversar com ele e o orientado a ir embora. Após discutirem, Cledson teria deixado o local e, na sequência, o policial também foi embora.

No entanto, na saída, eles voltaram a encontrar com Cledson em um semáforo da Avenida Hélio Prates. À polícia o PM disse que Bruno teria socado o vidro do carro e o ameaçado de morte. Temendo pela vida, o militar atirou.

Amigos e familiares de Cledson questionam a ação do policial e pedem justiça. Alegam que o homem acabou morto com tiros pelas costas. “Que não fique impune. Quem fez isso destruiu sonhos, destruiu uma família e o coração de vários amigos”, comentou uma amiga de Cledson nas redes sociais.

Após constatar que Cledson estava ferido, Bruno acionou o Corpo de Bombeiros Militar do DF e compareceu à 15ª DP para se apresentar com a arma de fogo. Ele não foi preso. Bruno é lotado no Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA).

Amigos e familiares de Cledson questionam a ação do policial e pedem justiça. Alegam que o homem acabou morto com tiros pelas costas. “Que não fique impune. Quem fez isso destruiu sonhos, destruiu uma família e o coração de vários amigos”, comentou uma amiga de Cledson nas redes sociais.

Após constatar que Cledson estava ferido, Bruno acionou o Corpo de Bombeiros Militar do DF e compareceu à 15ª DP para se apresentar com a arma de fogo. Ele não foi preso. Bruno é lotado no Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA).

“O caso está sob apuração pela PCDF e pela Corregedoria da PMDF”, informou a corporação.

 

Segurança acerta jato de spray de pimenta no rosto de mulher

Segundo o segurança, a mulher estava bebendo em um estabelecimento desde a madrugada e teria agredido várias pessoas

Um vídeo mostra o momento em que um segurança particular acerta um jato de spray de pimenta no rosto de uma mulher. Em seguida, para imobilizá-la, o profissional a derruba no chão. O episódio ocorreu na manhã desta sexta-feira (22/12), no Posto da Torre de TV, por volta das 8h30.

Israel Júnior de Souza, 27 anos, é o segurança que aparece nos vídeos. Antes de usar o spray de pimenta, é possível vê-lo afastando a mulher com as mãos e pedindo para a ela sair dali, que não obedece e é atingida pelo gás. Ouras imagens mostram o segurança em pé, perto da mulher que ficou deitada no chão.

O plantão de Israel começou às 7h, horário em que a mulher do vídeo já estava no posto de gasolina, segundo ele. Ela, segundo o relato dele, estaria no estabelecimento desde a madrugada, bebendo com amigos. De acordo com o segurança, ela é cliente frequente do local no horário noturno e é conhecida por todos que trabalham por ali. “É uma pessoa tranquila. Nunca tivemos um problema assim”, conta.

Momentos antes do vídeo, a mulher teria jogado garrafas de vidro em duas amigas que a acompanhavam, e uma delas acabou com um corte nas pernas. Por esse motivo, Israel teria acionado a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) e pedido para a mulher se retirar do posto, já que ela também havia tentado agredir um homem no lugar.

 

Em briga de trânsito, CAC atira contra carro com duas crianças dentro

Uma das crianças, em cadeirinha, quase foi atingida pelo tiro. PM de Goiás prendeu autor dos disparos em Valparaíso, um CAC com 2 rifles

Uma briga de trânsito no Entorno do Distrito Federal acabou em tentativa de homicídio, após o autor do crime atirar contra um carro com duas crianças dentro. O caso aconteceu nessa terça-feira (10/10), na altura de Valparaíso. Encontrado, o homem que realizou os disparos, que tem registro de Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador (CAC), estava com dois rifles e uma pistola em casa.

Vítima e autor do crime contaram versões distintas sobre a dinâmica do caso, mas ambos citam que tudo teria começado na DF-290, por causa de uma ultrapassagem. Após intenso bate-boca entre ambos, o condutor do veículo Chevrolet Monza foi para o acostamento da pista. Nesse momento, o motorista de um Chevrolet Spin atirou contra o Monza e fugiu.

 

Havia duas crianças no carro, uma delas em uma cadeirinha, que quase foi atingida. O comandante do 20º Batalhão de Polícia Militar de Goiás (BPM-GO), major Eric Chiericato, recebeu a informação da ocorrência pela Polícia Civil e acionou o Serviço de Inteligência da PM de Goiás para encontrar o autor do crime.

 

CAC

 

O motorista autor dos disparos foi encontrado em um condomínio de Valparaíso. Segundo os militares, ele foi preso, sem oferecer resistência e apontando o local onde estava a arma utilizada no crime. Em pesquisa, foi observado ainda que ele tem registro de CAC.

 

Na residência do homem, o BPM encontrou ainda dois rifles, além da pistola usada pouco antes. Ele foi conduzido para o Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops) para as providências legais.

 

Ação de PMs em UPA do Bairro Marajó acaba em truculência contra profissionais de saúde, em Valparaíso de Goiás

Ação de PMs em UPA do Bairro Marajó acaba em truculência contra profissionais de saúde, em Valparaíso de Goiás

Vigilante da unidade também foi intimidado

Uma ação de policiais militares (PMs) em Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Valparaíso acabou em discussão e truculência contra profissionais de saúde, nesta segunda-feira (3). Um vídeo registrado durante o incidente mostra um policial de colete preto se aproximando de uma enfermeira de maneira agressiva. No entanto, o celular da enfermeira filmava a cena foi tomado por outro policial, interrompendo a filmagem.

Além disso, nas imagens é possível ver um dos policiais intimidando o vigilante presente na unidade de saúde. Diante desses eventos, a equipe do Portal Mais Goiás procurou ouvir os envolvidos para esclarecer os fatos. A reportagem entrou em contato com uma das enfermeiras que aparecem no vídeo, porém, ela preferiu não se pronunciar sobre o incidente.

Da mesma forma, a administração da Unidade de Saúde e a diretora do hospital não quiseram se manifestar sobre o ocorrido.

Em busca de esclarecimentos, o Portal contatou a Polícia Militar para entender o motivo da discussão e se há alguma averiguação em andamento sobre o caso. No entanto, até o momento da publicação nenhuma manifestação oficial foi recebida.

Colaboração: Mais Goiás