Seja bem-vindo. 21 de abril de 2024 01:54
Previous slide
Next slide
Previous slide
Next slide

Homem vai no trabalho da ex para ameaçá la, e acaba morto por colega da mulher no J, ingá

A mulher chegou a diser para polícia que teria uma medida protetiva contra o homem que acabou morto, tudo por não aceitar o fim do relacionamento.

Neste domingo, 07/04, policiais militares do Jardim Ingá foram acionados para deslocarem até a rua 34 no parque industrial mingone 2, segundo informações um homem teria entrado em vias de fato com desafeto sendo agredido com vários golpes de facão e aparentemente estaria morto.

Ao chegar no local, os policiais se depararam com o corpo da vítima identificado como walterson José da Silva 37 anos morto com vários golpes de facão, apurado pela polícia, a vítima teria ido ao local de trabalho da ex importuná-la e ameaçar a mulher. Um colega da mulher, identificado por Osmir Rogério Cardoso Carvalho, 45 anos, vendo o desespero da amiga foi acudi-la.

Neste momento, o colega e o ex da mulher entraram em luta corporal, transtornado ainda chegou a quebrar todos os vídeos do Ford car que estava na frente do estabelecimento, depois da luta corporal o homem que teria saído correndo.

Minutos depois, o ex da mulher, volta com pedaço de pau e novamente houve outro luta corporal neste momento, osnir pegou facão e deu vários golpes contra o Walterson que não resistiu veio a óbito local, em seguida o autor entrou no veículo com vidros quebrados e se evadiu rumo à sua residência.

Na residência do acusado, os policiais militares localizaram o veículo Ford Ka estacionado na garagem com os quebrados e o facão utilizado,o acusado segue foragido.

Homem que matou ex com 6 tiros é CAC e tem 11 passagens pela polícia

Wesly Denny é o suspeito de feminicídio contra a ex-esposa. Homem tem 11 passagens pela polícia, incluindo violência contra outras mulheres

Wesly Denny da Silva Melo, de 29 anos, é considerado o principal suspeito pelo feminicídio da ex-esposa, Tainara Kellen Mesquita da Silva, 26. A mulher foi assassinada com pelo menos seis tiros na frente da filha de 5 anos. O homem tem 11 passagens pela polícia e é Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador (CAC). Um amigo dele contou ao Metrópoles que o suspeito guarda em casa um rifle e quatro pistolas.

O nome de Wesly aparece em uma lista de inscrição de uma competição promovida por um clube de tiro de Brasília, em julho de 2023.

A lista de crimes praticados por Wesly inclui porte ilegal de arma, ameaças, vias de fato e desacato. Há, inclusive, duas ocorrências de violência doméstica contra outras mulheres. Atualmente, o suspeito pelo feminicídio trabalha como motorista de aplicativo no Distrito Federal. O crime ocorreu na Quadra 29 do Setor Leste do Gama, na tarde desta quarta-feira (10/1). Ele é considerado foragido.

A ocorrência – a primeira tipificada como feminicídio no DF em 2024 – será investigada pela 14ª Delegacia de Polícia (Gama). A mãe de Tainara esteve no local, passou mal e precisou ser levada pela irmã ao hospital. Uma vizinha contou que Tainara era uma mulher dedicada à família: “Era uma filha amorosa e uma mãe exemplar”.

Ainda de acordo com essa vizinha, que preferiu não se identificar, Tainara e o ex viviam terminando e se reconciliando. “Ele ameaçava ela demais, era muito possessivo”, contou.

 

DF: homem que matou ex-mulher a facadas no Ano-Novo ficará na cadeia

O homem chegou a confessar o crime, alegando que havia atacado a vítima de surpresa, ocasionando lesões que levaram à morte da mulher

O juiz de direito substituto do Núcleo Permanente de Audiência de Custódia (NAC) converteu, na manhã desta quinta-feira (4/1), em preventiva a prisão de Luiz Cláudio de Lima Moreira (foto em destaque), 41 anos, acusado de matar a facadas a ex-companheira Jaqueline Reis, 29 anos, em Planaltina. O feminicídio ocorreu na véspera do Ano-Novo (31/12/2023).

Segundo o magistrado, o suspeito confessou o crime alegando que havia atacado a vítima de surpresa, ocasionando lesões que levaram à morte da mulher. A autoridade ainda relata que o Luiz era reincidente em crimes dolosos.

A defesa do autor do crime pedia pela liberdade provisória sem fixação de fiança. Porém, na decisão, o magistrado pontua que a prisão em flagrante efetuada pela autoridade policial “não ostenta, em princípio, qualquer ilegalidade”, e que a situação de flagrância em que o homem foi surpreendido “torna certa a materialidade delitiva, provando suficientemente sua autoria do crime”, explica.

“A prisão provisória encontra amparo na necessidade de se acautelar a ordem pública, prevenindo-se a reiteração delitiva e buscando também assegurar o meio social e a própria credibilidade dada pela população ao Poder Judiciário”, conclui o magistrado.