Seja bem-vindo. 14 de junho de 2024 02:01
Previous slide
Next slide

MPDFT denuncia motorista e dono de ônibus que tombou na BR-070

Felipe Alexandre Gonçalves Henriques e o pai dele, Alexandre Henriques Camelo foram denunciados por tentativa de homicídio e homicídio

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) apresentou denúncia, nesta quinta-feira (23/11), contra o motorista do ônibus que tombou na BR-070 e o pai dele, dono da empresa de transporte de turismo responsável pelo veículo. O ônibus capotou na rodovia, matou cinco pessoas e deixou 15 feridos em 21 de outubro deste ano.

Felipe Alexandre Gonçalves Henriques e o pai, Alexandre Henriques Camelo, estão presos desde 22 de outubro. O MP os denunciou por tentativa de homicídio e homicídio com dolo eventual.

Segundo os depoimentos de testemunhas no dia do acidente, Felipe Alexandre dirigiu o ônibus até a altura de Ceilândia, quando o pai, informado da abordagem da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) no posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), foi ao encontro do filho.

O veículo atuava de forma clandestina e fazia o trajeto Maranhão-Brasília. O motorista foi abordado por fiscais da ANTT no posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF) da BR-070, pouco depois de Águas Lindas de Goiás, onde passou por vistoria. Na ocasião, ficou constatado que se tratava de transporte pirata.

Os fiscais da ANTT, que já estavam acompanhando o ônibus, iniciaram a escolta do veículo até o terminal rodoviário mais próximo. O combinado seria que o motorista deixasse os passageiros na Rodoviária de Taguatinga e que providenciasse transporte regular para que todos seguissem viagem até os respectivos destinos.

Momentos antes do acidente, o motorista acelerou o ônibus, na intenção de fugir dos fiscais da agência reguladora. Com a pista molhada pela chuva e pneus carecas, o condutor perdeu o controle. O ônibus derrapou e tombou, logo em seguida, matando cinco pessoas.

Com a denúncia do MP, cabe à Justiça do DF acatar ou não a manifestação do Ministério Público. O caso corre no Fórum de Taguatinga e, caso seja aceito, será levado ao Tribunal do Júri de Taguatinga

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *