Seja bem-vindo. 25 de fevereiro de 2024 13:07
Previous
Next

Morte de bebê que ingeriu colírio por engano não tem relação com a substância e foi causada por pneumonia, diz polícia

Morte de bebê que ingeriu colírio por engano não tem relação com a substância e foi causada por pneumonia, diz polícia

Laudo pericial apontou também que o medicamento não foi detectado no corpo do bebê. Exames comprovaram que a morte do bebê ocorreu por uma pneumonia neutrofílica bilateral.

A morte de um bebê que ingeriu colírio por engano não tem relação com a substância e foi causada por pneumonia, segundo informações da Polícia Civil. O laudo pericial apontou também que o medicamento não foi detectado no corpo do bebê, que morreu em Formosa, no Entorno do Distrito Federal.

A primeira hipótese sobre a morte, no início da investigação, era de que o bebê teria ingerido o medicamento Tartarato de Brimonidina, usado no tratamento para glaucoma, que segundo as investigações, foi entregue de forma errada, pois o medicamento prescrito na receita entregue era Bromoprida, usado no tratamento para náuseas e enjoo.

Segundo os relatos da investigação, os exames toxicológico e histopatológico comprovaram que a morte do bebê ocorreu por uma pneumonia neutrofílica bilateral, com predomínio à esquerda. Os laudos ainda apontaram que nenhum resquício do medicamento apontado inicialmente como suposta causa da morte, foi encontrado.

O delegado Paulo Santos, responsável pelo caso, informou que não há como indiciar alguém após a perícia.

“Eu não tendo essa vinculação da substância com a morte do recém-nascido eu não posso indiciar ninguém e nem responsabilizar ninguém criminalmente pelo ocorrido”, disse o delegado.
Após a finalização dos laudos, o caso investigado deve ser encaminhado ao Poder Judiciário, esclarecendo que não há indícios entre o medicamento e a morte de Ravi Lorenzo.

O bebê Ravi Lorenzo, de 2 meses, morreu em março de 2023 por suspeita de ingerir um colírio que teria sido vendido por engano em uma farmácia de Formosa. Segundo a Polícia Civil, o remédio receitado corretamente, e que a criança deveria ter tomado, era para evitar vômito e enjoo.

Segundo a delegada Fernanda Lima, a mãe do menino contou que o filho estava com sintomas como náuseas, vômito e febre, motivo pelo qual ela foi até uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade. Chegando lá, após examinar a criança, o médico prescreveu três remédios, um deles, a “bromoprida”, que evita vômitos.

“O avô da criança contou que se dirigiu até a farmácia e comprou esses medicamentos. Ele teria levado os remédios para a mãe da criança, que teria ministrado os remédios conforme a prescrição. Passado um tempo, a criança começou a chorar e gritar de dor”, disse a delegada.

A mãe informou que, ao contrário do que o médico receitou, o remédio vendido pela farmácia foi o “tartarato de brimonidina”, um colírio para o tratamento de glaucoma. A mãe voltou na UPA e os médicos chegaram a intubar o menino, mas ele não resistiu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *