Seja bem-vindo. 22 de maio de 2024 01:17
Previous slide
Next slide

Donas de creche no DF viram rés por morte de bebê de 6 meses

Caso aconteceu em outubro de 2021, em Planaltina. Investigação apontou que acusada se irritou com choro de criança e a imobilizou em saco de dormir.

A Justiça aceitou a denúncia do Ministério Público contra duas donas da creche onde uma bebê de seis meses morreu asfixiada em outubro de 2021, em Planaltina, no Distrito Federal.

Segundo a Polícia Civil e os promotores do caso, a morte da bebê poderia ter sido evitada. A creche não tinha alvará e funcionava sem autorização da Secretaria de Educação e da Vigilância Sanitária, segundo o GDF.

À época, as funcionárias da creche disseram à família que a criança se engasgou. No entanto, as investigações apontaram que a menina chorava muito e que Marina Pereira da Costa se irritou, entrou no quarto onde a bebê estava, e a colocou em um saco, para que ficasse imobilizada. Ainda de acordo com a apuração, a mulher trancou a porta do quarto com chave.

Marina Pereira da Costa e Cleide Marta de Carvalho respondem a homicídio doloso, com dolo eventual, e qualificado porque foi causado por asfixia contra uma pessoa menor de 14 anos. Além disso, a denúncia aponta que houve omissão das mulheres, que assumiram o risco e tinham a responsabilidade de impedir a morte.

Aos investigadores, o pai do bebê disse que foi à creche no fim da tarde, para buscar a filha. No local, foi impedido de entrar no prédio por uma funcionária, que disse que ele teria de esperar a chegada da esposa, para que pudessem falar sobre a filha juntos.

O homem disse que estranhou a situação e, em seguida, recebeu ligação de uma outra funcionária da creche. Ela contou que a criança tinha sido levada ao hospital e o pai se dirigiu ao local, onde encontrou a esposa e uma das donas da creche onde o fato ocorreu.

À época, uma das funcionárias da creche disse que ouviu a criança chorando muito no berçário e viu o momento em que uma das proprietárias se irritou, entrou no quarto e fechou a porta. Segundo a mulher, o choro aumentou e, em seguida, parou.

Ainda segundo a funcionária, a dona da creche saiu sozinha do quarto. A monitora disse que entrou no local e encontrou a menina desfalecida. A proprietária então voltou e disse que levaria a criança para o hospital, porque ela tinha engasgado com catarro.

Em janeiro de 2022, a polícia concluiu o laudo da morte. Segundo a investigação, Amariah morreu por asfixia de causa indeterminada. Não havia sinais de trauma na face ou no pescoço. O laudo também cita a possibilidade de síndrome de morte súbita infantil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *