Seja bem-vindo. 29 de fevereiro de 2024 18:50
Previous
Next

Maus-tratos: cachorro é enforcado em Samambaia Sul

Cachorro ficou pendurado à janela de uma casa em Samambaia Sul. Em vídeos que circulam nas redes sociais, o animal estaria morto

Um cachorro foi enforcado dentro de uma casa em Samambaia neste domingo (7/1). Em vídeos que circulam nas redes sociais, o animal estaria morto pendurado à janela.

A ocorrência foi registrada pela Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), e a 32ª Delegacia de Polícia (Samambaia Sul) investiga o caso.

 

Polícia resgata mais de 70 animais e prende homem por maus-tratos

Polícia resgata mais de 70 animais e prende homem por maus-tratos

No local, foram encontrados aves, gatos e cães em estado degradante; homem preso disse que não tinha autorização para manter os animais

Um homem de 62 anos foi preso pela Polícia Civil na noite da última quarta-feira (29/11) acusado de maus-tratos a mais de 70 animais em uma clínica veterinária no bairro Penha da França, na zona leste de São Paulo.

No local, foram encontrados aves, gatos e cachorros em estado degradante. Integrantes da 1° Delegacia de Investigações contra o Meio Ambiente e Setor de Produtos Controlados (DIICMA), em parceria com a Divisão de Vigilância de Zoonoses, já investigava a clínica pela suspeita de maus-tratos.

Os policiais foram até o local acompanhados do dono do imóvel e encontraram alguns cães sujos e assustados dentro de uma das salas

Em outro pavimento, havia vários gatos em situação semelhante, todos com leucemia felina. Na clínica também haviam aves como papagaios, galinhas, pombas e patos. O homem contou aos policiais que não tinha autorização para manter nenhum desses animais.

Corpos de animais em freezer
Depois de vistoriar o local, a equipe encontrou um freezer com 7 carcaças de cães. No total, foram resgatados aproximadamente 50 gatos, 20 cachorros e 8 aves de espécies diversas.

Polícia resgata mais de 70 animais e prende homem por maus-tratos
No local, foram encontrados aves, gatos e cães em estado degradante; homem preso disse que não tinha autorização para manter os animais
Thomaz.

São Paulo – Um homem de 62 anos foi preso pela Polícia Civil na noite da última quarta-feira (29/11) acusado de maus-tratos a mais de 70 animais em uma clínica veterinária no bairro Penha da França, na zona leste de São Paulo.

No local, foram encontrados aves, gatos e cachorros em estado degradante. Integrantes da 1° Delegacia de Investigações contra o Meio Ambiente e Setor de Produtos Controlados (DIICMA), em parceria com a Divisão de Vigilância de Zoonoses, já investigava a clínica pela suspeita de maus-tratos.

Clínica veterinária no bairro Penha da França, na zona leste de São Paulo Divulgação/Polícia Civil

Os policiais foram até o local acompanhados do dono do imóvel e encontraram alguns cães sujos e assustados dentro de uma das salas.

Em outro pavimento, havia vários gatos em situação semelhante, todos com leucemia felina. Na clínica também haviam aves como papagaios, galinhas, pombas e patos. O homem contou aos policiais que não tinha autorização para manter nenhum desses animais.

Corpos de animais em freezer
Depois de vistoriar o local, a equipe encontrou um freezer com 7 carcaças de cães. No total, foram resgatados aproximadamente 50 gatos, 20 cachorros e 8 aves de espécies diversas.

“Seu presente de Natal”: pai esfaqueia filho e manda vídeo à mulher
Tribunal do crime: membros do PCC são presos por “julgar” estupradores
Pastor suspeito de estuprar 9 crianças é preso: “Tocou minha titita”
Homem amarrado: Ouvidoria diz que PMs fizeram “tortura da ditadura”
A zoonose interditou o local, as aves foram apreendidas e levadas a um lugar apropriado, os demais animais ficaram aos cuidados de uma ONG, aguardando os próximos direcionamentos da zoonoses.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP), o homem foi preso em flagrante e encaminhado a 1ª Delegacia DIICMA, onde o caso foi registrado como crime ao meio ambiente por matar espécimes de fauna silvestre e praticar ato de abuso a animais.

Mãe encontra filho trancado no escuro com baratas em creche no Paranoá

O caso aconteceu na última segunda-feira (6/11). Moradores da região relataram ter ouvido o choro da criança por aproximadamente meia hora

Na última segunda-feira (6/11), a psicopedagoga Patrícia Rocha, 26 anos, foi buscar o filho na creche Educa Mais, no Paranoá, e viu uma cena que nenhuma mãe gostaria de ver. O menino, que tem apenas 1 ano, estava trancado em uma sala infestada de baratas, com a luz apagada. Segundo moradores da região, o choro da criança era ouvido há meia hora.

Davi Nascimento, o pai, é estudante de enfermagem e explicou que o filho estava iniciando a segunda semana de adaptação na creche. O menino havia sido matriculado na instituição para que Davi pudesse começar um estágio. A oportunidade emprego acabou sendo perdida após a situação, já que o estudante teve que voltar a ficar em casa para cuidar do filho.

Ele relatou que Patrícia foi buscar o filho no horário combinado com a creche, às 19h. Quando chegou encontrou o filho trancado, sozinho em uma sala escura cheia de baratas. Vizinhos estavam na porta e contaram para ela que o menino chorava desde as 18h30, e por isso decidiram arrombar a porta. A mulher gravou a cena e, com a voz chorosa ao fundo, narrou como encontrou o espaço em que estava a criança.

 

Madrasta é presa no DF suspeita de maus-tratos contra enteado de 9 anos

Menino foi resgatado com queimaduras e cicatrizes pelo corpo. Pai da vítima é investigado por torturar filho.

Uma mulher foi presa, nesta quinta-feira (19) suspeita de maus-tratos contra o enteado, de 9 anos. O caso ocorreu em Santa Maria, no Distrito Federal.

 

De acordo o Conselho Tutelar, a Polícia Militar foi acionada após chegar uma denúncia de violência contra a criança. Na casa da família, os militares encontraram o menino com queimaduras e cicatrizes “em todo o corpo”.

 

A madrasta foi detida e levada para a 20ª Delegacia de Polícia, no Gama. Segundo a Polícia Militar, o pai da criança é suspeito de torturar o filho.

O homem não estava em casa, mas compareceu na delegacia. Segundo o Conselho Tutelar, o pai e a madrasta foram liberados.

Agora, a criança ficou sob cuidados do Conselho Tutelar e deve ser encaminhada para um abrigo.

Madrasta é presa por maltratar enteado de 9 anos no DF

Segundo a PMDF, a criança tinha marcas pelo corpo, queimaduras e cicatrizes. A mulher era madrasta e o pai da criança não foi localizado

Uma mulher foi presa, na manhã desta quinta-feira (19/10), por maltratar o enteado, uma criança de 9 anos. O caso ocorreu na quadra H do Condomínio Porto Rico em Santa Maria.

Segundo a Polícia Militar do DF (PMDF), o conselho tutelar da região pediu apoio dos PMs para verificar a situação da criança.

Quando chegaram ao local, os PMs encontraram a criança com várias marcas pelo corpo, queimaduras e cicatrizes. A madrasta foi presa e apresentada na 20ª Delegacia de Polícia (Gama). O pai da criança não foi localizado.

 

 

 

PCDF cumpre mandados em ação conjunta com a PCGO*

*PCDF cumpre mandados em ação conjunta com a PCGO*

A Polícia Civil do DF, durante ação conjunta com equipes de investigação, tática e operacional da Polícia Civil de Goiás— PCGO cumpriu, nas primeiras horas desta terça-feira (31), mandados de prisão temporária, busca e apreensão e internação provisória contra integrantes de uma associação criminosa envolvida em um dos maiores roubos ocorridos na cidade de Luziânia.

A operação contou com o apoio de equipes da Divisão de Operações Especiais e da Seção de Operações com Cães da DOE/PCDF; Corpatri, 13ª DP e DCA I; além de unidades especializadas da PCGO (Gepatri de Luziânia, 5ª DRP, Genarc, GT3, GIH e DPCA, sediadas em Luziânia, Cristalina, Valparaíso e Novo Gama/GO).

De acordo com as apurações, no dia 8 de abril deste ano, criminosos armados teriam rendido vendedoras de uma joalheria localizada em um shopping, no centro de Luziânia, para subtrair joias de valor expressivo.

Desse modo, a operação de hoje foi batizada de Ouro de Tolo em referência às joias roubadas pelos assaltantes e, posteriormente, receptadas pelos criminosos— alvos da investigação da PCGO.

A partir das apurações realizadas pela equipe do Gepatri de Luziânia, todos os envolvidos no roubo à joalheria foram identificados, o que possibilitou a representação por medidas judiciais de busca e apreensão contra a associação criminosa nesta manhã. No total, foram realizadas 11 buscas nos endereços dos alvos e cumpridas prisões temporárias em desfavor de três envolvidos, além de internações dos adolescentes.

Como resultado, foram encontradas drogas diversas em endereços dos alvos— maconha, crack, cocaína e drogas sintéticas— além de armas de fogo, munições; balanças de precisão; insumos para o preparo e embalagem das drogas; valores em notas diversas e bens de procedência provavelmente ilícita; e joias.

Além da associação criminosa, as equipes também realizaram buscas em pontos de tráfico de drogas localizados na região do Dnocs, que fica às margens da rodovia BR-020, nas imediações da cidade de Sobradinho I.

Na sede da Corpatri/PCDF, diversos Autos de Prisão em Flagrante (APF) foram lavrados em desfavor dos conduzidos, bem como houve representação da prisão em flagrante para conversão em prisão preventiva.

Cumpridas as formalidades legais, os presos relativos aos inquéritos policiais instaurados no âmbito do DF foram recolhidos à carceragem da PCDF, onde permanecem à disposição da Justiça. Os demais foram recolhidos ao sistema prisional do Estado de Goiás.

Roubo à joalheria ocorrido no dia 8 de abril de 2023, no interior do shopping localizado no centro de Luziânia/GO.

A ação criminosa contou com cinco envolvidos, entre eles uma mulher e dois adolescentes infratores de idade. O grupo foi empregado na ação para empunhar as armas e render as vendedoras da loja. Em seguida, os dois adolescentes passaram a recolher as joias, que estavam no estoque, para colocá-las dentro de uma mochila, fugindo do local em seguida. Durante o roubo, comparsas faziam a vigilância do ambiente como “olheiros”, do lado de fora da loja, com o propósito de avisar ou mesmo reagir diante de qualquer movimentação dos seguranças ou policiais.
Há estimativa de que eles roubaram aproximadamente R$ 500 mil em peças de ouro.
Após os fatos, policiais civis do Gepatri/Luziândia foram a campo em diligências para coletar dados e identificar os envolvidos— moradores da Vila DNOCS em Sobradinho/DF— com possível vínculo com facção criminosa.
A investigação também apontou a atuação de receptadores e pessoas que, provavelmente, estavam se beneficiando do fruto do crime— usando e negociando as joias obtidas por meio ilícito— sendo identificados suspeitos/ alvos nas cidades do Paranoá, Águas Claras, Taguatinga e Ceilândia, no DF.