Seja bem-vindo. 30 de maio de 2024 11:01
Previous slide
Next slide

Casal é indiciado acusados de morder e queimar com cigarro criança de 01 que morreu

A criança morreu no dia 11 de abril, no Hugol. Padrasto segue preso 

Mãe e padrasto foram indiciados pelo crime de tortura contra um bebê de 1 ano, em Quirinópolis, no sudoeste de Goiás. A criança morreu no dia 11 de abril após ser levada a um hospital com várias mordidas, sem as unhas e com queimaduras de cigarro pelo corpo.

A Polícia Civil informou que o inquérito foi concluído na quinta-feira (18) e encaminhado à Justiça. O padrasto segue preso em uma unidade da Polícia Penal de Quirinópolis e a mãe em Serranópolis.

Relembre

Mãe e padrasto foram presos em Quirinópolis, no dia 8 de abril. Os dois levaram a criança para um hospital e alegaram que ela caiu enquanto brincava. Porém, segundo a PC, as marcas pelo corpo do menino tinham total evidência de tortura.

A história contada pelo casal não convenceu os médicos, que identificaram outros hematomas, além das marcas pelo corpo do pequeno. Com isso, eles chamaram a polícia.

O bebê chegou a ser transferido do Hospital Materno Infantil de Rio Verde para o Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), em Goiânia. Ele tinha estado de saúde gravíssimo e morreu no dia 11 de abril.

Prisões

As prisões de mãe e padrasto foram mantidas após audiência de custódia na Justiça. A delegada responsável pelo caso, Simone Casemiro, informou que o casal negou as acusações e não demonstrou arrependimento.

Caso condenados pelo crime de tortura qualificada, o casal pode pegar de 8 a 16 anos de prisão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *