Seja bem-vindo. 21 de abril de 2024 02:58
Previous slide
Next slide
Previous slide
Next slide

Vídeo: segurança espanca suspeito de furtar carne em mercado do DF

Ex-funcionários denunciaram conduta do chefe da segurança, que teria como prática torturar suspeitos de furto

O chefe de segurança do supermercado Guarapari, em Ceilândia Sul, foi flagrado pelas câmeras de segurança do estabelecimento espancando um homem suspeito de furtar carne. As imagens são de 4 de março, mas vieram à tona nesta terça-feira (26/3). Assista:

No vídeo, é possível ver o momento em que um homem é encurralado pelos seguranças sentado em um corredor. O chefe grita com as demais pessoas na cena e, em seguida, começa a chutar a vítima, que bate a cabeça nas prateleiras do mercado.

Ex-funcionários denunciaram a conduta adotada pelo responsável pela segurança e teriam levado as imagens para o departamento de recursos humanos da empresa. Segundo os relatos, o chefe levava para um quartinho fora do alcance das câmeras.

O chefe de segurança do supermercado Guarapari, em Ceilândia Sul, foi flagrado pelas câmeras de segurança do estabelecimento espancando um homem suspeito de furtar carne. As imagens são de 4 de março, mas vieram à tona nesta terça-feira (26/3). Assista:

No vídeo, é possível ver o momento em que um homem é encurralado pelos seguranças sentado em um corredor. O chefe grita com as demais pessoas na cena e, em seguida, começa a chutar a vítima, que bate a cabeça nas prateleiras do mercado.

Ex-funcionários denunciaram a conduta adotada pelo responsável pela segurança e teriam levado as imagens para o departamento de recursos humanos da empresa. Segundo os relatos, o chefe levava para um quartinho fora do alcance das câmeras.

apurou que alguns funcionários renunciaram ao cargo após testemunharem as violências. Os empregados relataram que as violências eram extremas, recorrentes. Em outro caso, um cliente teria sido espancado por tentar sair sem pagar com um desodorante. As agressões ocorriam sem distinção da natureza ou do valor dos itens envolvidos.

A reportagem ligou para o supermercado, mas foi informada de que o estabelecimento “não vai se manifestar no momento”. O espaço segue aberto para possíveis manifestações.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *