Seja bem-vindo. 21 de abril de 2024 03:05
Previous slide
Next slide
Previous slide
Next slide

Preso por matar companheira no Gama era CAC; arma do crime era registrada

Preso por matar companheira no Gama era CAC; arma do crime era registrada

Preso na tarde desta segunda-feira (4/7), o serralheiro Bruno Gomes Moraes, 38 anos, confessou ter matado Patrícia Pereira de Sousa, 41 anos, na última sexta-feira (30/6)

Acusado de matar a enfermeira e companheira Patrícia Pereira de Sousa, 41 anos, o serralheiro Bruno Gomes Moraes, 38 anos, tinha registro de Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador (CAC), além de ter o registro da arma utilizada no crime. A informação foi confirmada pelo delegado-chefe da 14ª Delegacia de Polícia (Gama), Francisco Antônio da Silva, responsável pelas investigações.

FEMINICÍDIO

Preso por matar companheira no Gama era CAC; arma do crime era registrada
Preso na tarde desta segunda-feira (4/7), o serralheiro Bruno Gomes Moraes, 38 anos, confessou ter matado Patrícia Pereira de Sousa, 41 anos, na última sexta-feira (30/6).

Acusado de matar a enfermeira e companheira Patrícia Pereira de Sousa, 41 anos, o serralheiro Bruno Gomes Moraes, 38 anos, tinha registro de Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador (CAC), além de ter o registro da arma utilizada no crime. A informação foi confirmada pelo delegado-chefe da 14ª Delegacia de Polícia (Gama), Francisco Antônio da Silva, responsável pelas investigaçõe.

Após fuga, carros são queimados em Unidade de Internação de Planaltina
Bruno foi preso, na tarde desta segunda-feira (3/7), por matar a companheira na noite de sexta-feira (30/6), na residência da família, na Quadra 3 do Setor Leste do Gama. O crime ocorreu na presença do filho do casal, um menino de 14 anos, e de uma jovem de 22, fruto de um outro relacionamento da vítima. O assassino disparou no pescoço de Patrícia com o revólver que tinha registro. Ela morreu no local.

Após ser preso em Luziânia (GO), o serralheiro confessou o crime na delegacia. Aos agentes, o feminicida justificou que matou a companheira em “legítima defesa”. Os agentes da 14ª Delegacia de Polícia (Gama) conseguiram chegar no feminicida após receber denúncias da população. Com ele, os policiais encontraram a arma do crime.

A vítima era enfermeira do Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF). Segundo a filha dela, o casal estava junto há 18 anos e já havia se separado diversas vezes, mas Patrícia sempre voltava por conta do filho adolescente e pelo apoio financeiro que tinha do parceiro. Este foi o quarto feminicídio registrado em uma semana no DF e o 20º somente neste ano. Os números já ultrapassam todos os casos que ocorreram em 2022.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *