Seja bem-vindo. 21 de abril de 2024 02:00
Previous slide
Next slide
Previous slide
Next slide

Pit-bull sem focinheira ataca e fere rosto de babá

Caso aconteceu na Quadra 208 de Águas Claras. Babá chegava ao trabalho, por volta das 10h dessa 3ª, quando foi atacada por um pit-bull

Uma mulher de 42 anos foi atacada por um cão da raça pit-bull que estava sem focinheira na Praça Sabiá, na Quadra 208 de Águas Claras, na manhã dessa terça-feira (5/3). A vítima estava na calçada, a poucos metros do prédio em que trabalha, quando o cão avançou e mordeu o rosto dela.

Testemunhas relataram que a babá chegava ao trabalho, por volta das 10h, quando se assustou com o cachorro. O animal estava na coleira, guiado por uma jovem, mas parecia agressivo.

A vítima tentou desviar o caminho, mas acabou atacada no rosto, na região do olho esquerdo. Ela foi socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levada para o Hospital Regional de Taguatinga (HRT), mas não conseguiu atendimento.

A patroa decidiu levar a funcionária para um hospital particular e pagou R$ 1,6 mil pelas despesas médicas.

Os donos do pit-bull disseram não ter condições de pagar pelo tratamento. No momento do ataque, o cachorro estava com a filha dos tutores do animal, que não conseguia segurar o cão na coleira com firmeza. A responsável pelo cachorro chegou a dizer que a vítima seria a culpada pelo ataque, pois teria gritado.

Depois do ocorrido, segundo testemunhas da situação, a jovem que estava com o cão tentou ir embora, mas as pessoas que acompanharam o episódio não permitiram. A responsável pelo pit-bull, então, chamou a mãe para buscar o animal e levá-lo para casa.

A vítima passou por exame de corpo de delito para avaliar a gravidade dos ferimentos. A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) investiga a ocorrência como lesão corporal culposa – não intencional – e omissão de cautela na guarda ou na condução de animais.

A PCDF informou que a tutora do cachorro ainda não forneceu a carteira de vacinação do cão, mesmo após ter sido alertado por duas vezes quanto à necessidade da documentação para seguir com protocolos necessários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *