Seja bem-vindo. 18 de julho de 2024 21:16
Previous slide
Next slide

Égua é sacrificada após quebrar pata durante transporte de carga no DF

População ficou sensibilizada com o sofrimento do animal. Carroceiros teriam dificultado o resgate e uma queixa foi registrada na PCDF

O sofrimento de uma égua com a pata quebrada sensibilizou moradores do Guará, no sábado (15/06). A população tentou socorrer o animal, mas o carroceiro, suposto dono animal, teria dificultado o resgate. A Secretaria de Agricultura (Seagri) foi chamada, recolheu a égua, mas ela precisou ser sacrificada como forma de minimizar seu sofrimento, segundo a pasta local.

A égua estaria presa por uma corda na Avenida do Contorno, perto da estação do Metrô-DF. Comovidas, as pessoas tentaram ajudar. Um carroceiro que se dizia dono do animal estava presente disse que a égua estava em sofrimento após sofrer uma queda ao transportar carga.

No DF, a Lei nº 5.756, de 2016, proíbe a circulação de carroças. O suposto dono do animal chamou outros carroceiros e o grupo teria começado a hostilizar e ameaçar a população. Testemunhas chamaram a Polícia Militar (PMDF). Mesmo diante da confusão, em um gesto de caridade, uma família com crianças levou comida e água para o animal.

Instantes depois, uma equipe da Seagri chegou ao local. No entanto, o caminhão enviado ao local não era adequado. O veículo era pequeno e tinha uma escada muito íngreme. Com a pata quebrada, a égua não conseguiu subir no veículo. Sem forças e ferida, tombou.No DF, a Lei nº 5.756, de 2016, proíbe a circulação de carroças. O suposto dono do animal chamou outros carroceiros e o grupo teria começado a hostilizar e ameaçar a população. Testemunhas chamaram a Polícia Militar (PMDF). Mesmo diante da confusão, em um gesto de caridade, uma família com crianças levou comida e água para o animal.

Instantes depois, uma equipe da Seagri chegou ao local. No entanto, o caminhão enviado ao local não era adequado. O veículo era pequeno e tinha uma escada muito íngreme. Com a pata quebrada, a égua não conseguiu subir no veículo. Sem forças e ferida, tombou.

Após muito esforço, a égua foi colocada no veículo e levada para a sede da Seagri. Após uma avaliação, os veterinários entenderam que seria preciso fazer uma eutanásia para minimizar o sofrimento dela.

O caso está sendo investigado pela 4ª Delegacia de Polícia (Guará).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *