Seja bem-vindo. 29 de maio de 2024 22:58
Previous slide
Next slide

Dono de farmácia é preso vendendo Produtos e Medicamentos vencidos em Valparaíso

Produtos de higiene pessoal, alimentos como leite em pó receitado para crianças todos estavam vencidos nas prateleira e sendo comercializados de forma natural para clientes.

Na tarde desta quinta-feira 04/04 uma farmácia no bairro Marajó se tornou alvo de operação de fiscalização em Valparaíso, o local foi vistoriado em uma ação que durou cerca de 10h00, e segundo os agentes fiscalizadores, mais da metade da farmácia estava vencida ou com data de vencimento adulterada. A operação contou com todos órgãos fiscalizadores do município de Valparaíso; Procon, Susfin, Vigilância sanitária e polícia militar que apoiou, durante a revista ficou constatado que mais da metade dos produtos das prateleiras estavam vencidos desde o ano de 2018.

Segundo apurado pelo radar, o que levou o estabelecimento a receber a visita dos órgãos fiscalizadores, foi o fato de um cliente comprar um sonrisal vencido e denunciar no Procon do município, depois da denúncia começou as diligências junto de outros órgãos até ser deflagrada a operação. Produtos de higiene pessoal, alimentos como leite em pó receitado para crianças todos estavam vencidos nas prateleira e sendo comercializados de forma natural para clientes, em um dos produtos ficou constatado além de vencidos existia suspeita de terem sido remarcados ou adulterados, os agentes ainda encontraram um carimbo falso com nome de um médico que supostamente teria ligação com estabelecimento, caso que vai ser investigado pela polícia civil.

Em situação de flagrante, o proprietário do estabelecimento foi levado à delegacia onde ficou preso por diversos crimes, o delegado não arbitrou fiança e o proprietário continua preso. Como se trata de produtos vencidos e de origem duvidosa, tudo foi apreendido e será descartado de forma adequada para que não haja risco de contaminação. O Procon alerta sobre produtos vencidos, e a importância de recorrer aos órgãos fiscalizadores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *