Seja bem-vindo. 22 de maio de 2024 02:58
Previous slide
Next slide

Pai tortura filhos com golpes de facão: “Sou viúvo, preciso educá-los”

Crime ocorreu em Águas Lindas (GO), no Entorno do DF. Suspeito foi preso em flagrante e os menores, levados para o Conselho Tutelar

A Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) de Águas Lindas (GO), no Entorno do Distrito Federal, prendeu em flagrante um homem de 45 anos por tortura nessa quinta-feira (23/11).

Com um facão, ele teria submetido os próprios filhos, adolescentes de 15 e 16 anos, a intenso sofrimento físico e mental.

De acordo com a Polícia Civil de Goiás (PCGO), o pai praticava violência e ameaças como forma de castigo. A DPCA informou que o investigado disse que é “pai viúvo e precisa educá-los”.

A investigação teve início após denúncia anônima informando que os adolescentes foram gravemente feridos pelo próprio pai.

Ao chegar ao endereço, os policiais constataram a veracidade das informações. Os menores apresentavam diversas lesões pelo corpo e demonstraram sentir medo.

Segundo a DPCA, as agressões eram feitas geralmente por meio de facão. A lâmina ainda apresentava marcas de sangue. A arma foi apreendida e encaminhada para a perícia.

Os menores foram levados ao Conselho Tutelar. O pai será encaminhado ao presídio, onde ficará à disposição da Justiça.

“Gordão do PCC” e comparsas torturaram e enterraram vítima amarrada

O homem passou o dia sob o poder dos integrantes do PCC, sendo agredido com chutes e socos com mãos e pés amarrados

As investigações da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) apontam que Lucas Caxias da Silva, 28 anos, preso por homicídio nessa segunda-feira (10/10), e outros três integrantes da facção paulista Primeiro Comando da Capital (PCC) torturaram a vítima do crime antes de matá-la e enterrá-la amarrada dentro de um saco em uma cova rasa no Vale do Amanhecer.

A perícia constatou indícios de tortura e de crueldade na vítima, visto que as mãos e os pés do homem de 39 anos estavam amarrados. Além disso, havia diversas lesões pelo corpo dele e ao menos uma perfuração de faca acima do peito.

 

A equipe da 16ª DP (Planaltina) conseguiu colher elementos de prova de que o homem passou o dia sob o poder dos autores, sendo agredido com chutes e socos com as mãos e pés amarrados.

 

 

Quando os criminosos decidiram matá-lo, amarraram uma corda no pescoço do desafeto no intuito de enforcá-lo até que perdesse os sentidos, momento em que foi executado com uma facada na região do coração.

O grupo criminoso colocou o corpo da vítima em um saco e o enterrou no quintal de uma casa que foi ocupada temporariamente por um dos autores.

Com toda a colheita de provas, a autoridade policial representou pela prisão temporária dos autores, o que foi acolhido pelo Ministério Público e deferido pelo Poder Judiciário.

 

Foi dado cumprimento aos mandados, sendo um em Itaim Paulista (SP), outro em Planaltina (GO) e um no Vale do Amanhecer.

Todas as prisões foram convertidas em preventiva, ficando os autores presos à disposição da Justiça. A motivação do crime seria oriunda de guerras entre facções criminosas adversárias e do tráfico de drogas.

 

Humilhação, tortura e morte: imagens chocantes mostram rotina de pacientes em clínica clandestina em Luziânia-Goiás

Humilhação, tortura e morte: imagens chocantes mostram rotina de pacientes em clínica clandestina

Uma das  imagens obtidos  mostra um paciente sendo obrigado a entrar nu, de madrugada, dentro de uma piscina

Em uma área rural no Entorno do Distrito Federal, homens jovens e idosos que sofrem com a dependência química são submetidos, diariamente, a humilhações e sessões de tortura que já resultaram até em mortes.

Todos esses episódios cruéis se passavam dentro da Clínica de Reabilitação Restituindo Vidas, situada na região das Chácaras Marajoara, em Luziânia (GO). E, apesar de boletins de ocorrência registrados na Polícia Civil de Goiás (PCGO), o espaço permanece aberto e recebendo novos pacientes.

A reportagem conversou com algumas das vítimas que sobreviveram ao martírio na clínica de reabilitação, que, segundo a Federação Nacional de Comunidades Terapêuticas (Fenact), funciona de forma clandestina e é administrada por Tiago de Morais Araújo, que se apresenta como enfermeiro.

Fome, dopagem e mortes
A rotina dentro da casa era de dor e sofrimento. A lista de supostos crimes cometidos por Tiago e seus funcionários é extensa. Ele é acusado de bater, humilhar e permitir circulação de drogas no local.

Ainda de acordo com relatos de “sobreviventes”, não era permitido manter qualquer tipo de contato com a família, e havia a prática de dopagem com medicamentos sem prescrição médica. Em casos mais extremos, muitos, inclusive, disseram passar fome, pois as refeições eram rigidamente controladas por Tiago e seus monitores.

No caso mais aterrorizante, um interno morreu, em março deste ano, após ser obrigado a ingerir doses cavalares de medicamentos controlados. Um dos homens que conversou com o Metrópoles presenciou a cena:

“Eu fiquei internado por dois meses. E, enquanto estive lá, presenciei acontecimentos horríveis. Muitos pacientes eram medicados à força e em alta quantidade quando se comportavam mal. Em um desses episódios, um homem chegou a morrer. Ele estava alcoolizado e, assim que chegou na clínica, o doparam. Quando o dia amanheceu, infelizmente, estava morto”, contou. Apesar de diversas testemunhas confirmarem o óbito, a PCGO não divulgou mais detalhes da investigação.

Cerca de um mês depois, em 24 de abril, outro paciente apareceu morto na Clínica de Reabilitação Restituindo Vidas. Carlos Eduardo Rodrigues, 44 anos, não passou sequer 24 horas sob os cuidados de Tiago. O homem foi internado na tarde do dia 24/4 pela mãe e, durante a noite, faleceu. O óbito dele é investigado pela PCGO, por meio Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) de Luziânia.

“Danone”
Os internos, conforme narra um outro ex-paciente da clínica clandestina, eram sedados com uma mistura chamada de “Danone”. A combinação era composta por Neozine de 100 mg com 50 gotas de Clonazepam. De acordo com ele, as vítimas medicadas chegavam a ficar até três dias dormindo sem ingerir água e alimento.

barriga. Mesmo dias depois, o rapaz carregava cicatrizes na região.

Em outras imagens obtido, é possível ver um homem sendo obrigado a entrar nu na piscina da clínica de madrugada. Ao fundo, funcionários riem e debocham da situação.

“Aquele lugar é pior que uma prisão, parecia que eu estava em uma senzala. Rezei por muitos dias, porque achei que ia morrer lá dentro”, contou um ex-interno.

Mesmo com o fim dos dias de agonia depois de sair da clínica, as vítimas relatam que carregarão marcas pelo resto da vida. “Ainda sinto muita tristeza por tudo que passei e espero que a justiça seja feita. Nós fomos tratados como se não fôssemos seres humanos, e carrego traumas até hoje: não consigo mais dormir, tenho várias crises de pânico e sonhos por conta de tudo que aconteceu”, disse uma pessoa.

Familiares
Ainda conforme as denúncias investigadas pela PCGO, Tiago utilizava a manipulação como uma carta na manga para enganar as famílias dos pacientes. “Encontrei essa clínica pela internet e, no início, parecia ser de confiança. A pessoa que entrei em contato foi superatenciosa, me ligou para explicar a dinâmica e me mandou várias fotos. No desespero, acabamos optando por fazer internação lá, mas me arrependo amargamente”, contou uma familiar de um dos ex-internos.

“Aos poucos, fui percebendo que tinha algo de errado. Não me enviaram o contrato e não permitiam que eu tivesse contato com meu parente. A minha família só ficou sabendo de tudo que estava acontecendo quando esse familiar conseguiu nos falar escondido, porque até as ligações são monitoradas”, complementou.

Estratégia
No local onde atualmente funciona a Clínica de Reabilitação Restituindo Vidas operava, anteriormente, a Comunidade Terapêutica Restauração (CTR). Essa última teria sido fechada por também supostamente maltratar pacientes. O espaço mudou apenas de nome, mas manteve a rotina de sofrimentos dos pacientes.

Para driblar a Justiça, o suposto enfermeiro abriu um Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) identificando a empresa como uma comunidade terapêutica, mas, na verdade, oferece serviço de clínica psiquiátrica com internações compulsórias.

humanizado contra a dependência química. As pessoas que cometem esses crimes querem apenas lucrar com o sofrimento das famílias dos pacientes”, pontuou Henrique França.

Luta antimanicomial
A Luta Antimanicomial surgiu justamente por casos como os registrados dentro da Clínica de Reabilitação Restituindo Vidas. O movimento tem o intuito de garantir que direitos de pacientes sejam preservados e impedir situações de maus-tratos.

O psiquiatra Anibal Okamoto esclarece que, na maioria dos casos, os dependentes químicos não são vistos como seres humanos. “Infelizmente, essas pessoas não são ouvidas. O preconceito que existe em relação à adicção ainda é bem forte, então essas queixas muitas vezes são deixadas de lado”, explicou.

Faltará energia elétrica em quatro regiões do DF nesta quinta (26)

Faltará energia elétrica em quatro regiões do DF nesta quinta (26)

Troca de condutores e conectores, nesta quinta-feira (26), afetará Sobradinho, São Sebastião, Planaltina e Recanto das Emas

Nesta quinta-feira (26/5) faltará energia elétrica em Sobradinho, São Sebastião, Planaltina e Recanto das Emas. A interrupção será feita por segurança durante operações na rede elétrica, como troca de conectores e de condutores.
Em Sobradinho, os trabalhos começam às 7h e vão até as 17h. Será feita obra na linha de 138 KW, deixando sem energia a Chácara 45-A do Núcleo Rural Sobradinho.
Em São Sebastião, os serviços foram divididos em dois turnos. Das 8h30 às 13h, o desligamento será nos seguintes locais: Morro Azul, Bloco A, Box 616; blocos B e C, boxes 101 e 204; Quadra 11, Conjunto O, Lote 5-A; Quadra 2, Conjunto 7, Lote 5; Quadra 305, Conjunto 15, Lote 1 e Quadra 11, Conjunto P, Lote 1-B. Das 13h às 17h30, ficam sem energia as quadras 34 (Lote 28) e de 37 a 40, em São José.

Ainda à tarde, das 13h às 17h30, também sofrem interrupção de fornecimento de energia, para troca de conectores, os lotes 865 e 871; Rua 20, Casa 20, lotes 21, 30, 31, 40, 41, 51, 60, 61, 70, 80, 90, 91, 100, 101 e 111; Rua 21, lotes 21, 31, 40, 41, 41-A, 50, 51, 60, 61, 70, 71, 71-A, 71-B, 80, 81, 90, 91, 101, 111, 120, 121, 130, 131, 141, 150, 151, 160, 161 e 180; Rua 22, lotes 11, 21, 30, 31, 40, 41, 50, 51, 61, 70, 71, 80, 81, 90, 100, 101, 110, 111, 120, 131, 140, 141, 151, 160, 161, 170 e 171 e Rua 25, Lote 61 – todos esses endereços do Setor Tradicional, Avenida Comercial de São Sebastião.
Em Planaltina, quatro avenidas ficam sem energia das 8h30 às 13h: Goiás (Quadra 50, lotes 9-A, 10, 10-A e 11-A), Independência (quadras 34, 50 ,51, lote 1), São Paulo (Rua Benjamin Constant, quadras 25, 32, 34 e 50) e Gomes Rabelo (quadras 25, 32 e 35). Também estão na programação do desligamento as ruas Eugênio Jardim (quadras 31, 32, 33 e 35) e Formosa (quadras 25 e 32) e o Setor Tradicional, Quadra 32, Lote 9.
Já no Recanto das Emas, a troca de condutores de baixa tensão do transformador vai deixar sem luz, das 8h30 às 11h, a Avenida Recanto, Quadra 310, Lote 2, conjuntos 1, 1-A e 2 ao 7, 7-A, 8, 8-A, 9-A, 9-C, lotes 1 e 5; Quadra 508, Conjunto 6, lotes 17 e 18 e a Q 510, Conjunto 14, lote 25 e Conjunto 17, Lote 18.

Caso os trabalhos sejam concluídos antes do previsto, a energia será religada sem aviso prévio. Além dos desligamentos programados, pode acontecer de acabar a energia em alguma região, sem aviso prévio. Nestes casos, a população deve registrar a ocorrência pelo telefone 116. Clientes portadores de deficiência auditiva e de fala podem acessar o atendimento pelo número 0800 701 01 55, desde que utilizem aparelho adaptado para essa finalidade.