Seja bem-vindo. 1 de março de 2024 23:37
Previous
Next

Grupo é preso suspeito de matar e esconder corpos de jovens em pasto após sequestrá-los em Goiás

Segundo a Polícia Civil, suspeitos promoviam espécie de “tribunal do crime” na cidade. Jovens mortos estavam desaparecidos desde julho.

Um grupo composto por cinco pessoas foi preso suspeito de matar e esconder corpos de jovens em um pasto após sequestrá-los, em Itumbiara, no sul do estado. Segundo a Polícia Civil, os suspeitos promoviam uma espécie de “tribunal do crime” na cidade.

A prisão do grupo ocorreu na manhã desta terça-feira (12). Os relatos da investigação apontam que o grupo foi responsável pelo sequestro, cárcere privado e assassinato de dois jovens, de 20 e 18 anos, que desapareceram em julho deste ano. Após matarem os jovens, os corpos foram enterrados em pasto.

Segundo Felipe Sala, delegado responsável pelo caso, os jovens assassinados foram responsáveis por um crime de homicídio em junho deste ano. Já no mês de julho, a dupla sofreu uma espécie de julgamento por parte de criminosos da cidade, que os mataram como forma de punição ao crime cometido.

De acordo com as investigações, a identificação dos suspeitos foi obtida após troca de informações de inteligência com outras delegacias. Os presos foram encaminhados ao presídio do município e estão à disposição do Poder Judiciário.

A imagem dos suspeitos foi divulgada pela Polícia Civil, com o objetivo de encontrar novas testemunhas que possam auxiliar na investigação de outros envolvidos.

Grupo que se passava por ministros de Lula pedia transferência via Pix

Geralmente com o pretexto de ajudar terceiros, os falsos ministros contatavam as vítimas e lhes pediam ajuda financeira.

A quadrilha que se passava por ministros do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) clonava perfis de WhatsApp das autoridades e pedia pagamentos via Pix para as vítimas.

 

Os estelionatários foram alvo da Operação Alto Escalão, deflagrada por agentes da 5ª Delegacia de Polícia (Área Central). Foram cumpridos nesta terça-feira (7/11) oito mandados de busca e apreensão em Recife (PE) e João Pessoa (PB).

 

Geralmente com o pretexto de ajudar terceiros, os falsos ministros contatavam as vítimas e lhes pediam que realizassem transferências via Pix para alguma pessoa necessitada.

 

Até o momento, foram identificadas como vítimas do grupo criminoso, entre outras autoridades, os seguintes ministros:

 

Juscelino Filho (Comunicações)

Camilo Santana (Educação)

Renan Filho (Transportes)

Rui Costa (Casa Civil)

Luiz Marinho (Trabalho)

Carlos Lupi (Previdência Social)

Como funcionava o esquema

Os criminosos diziam que os ministros não poderiam transferir diretamente, pois não poderiam vincular seu some a tal pessoa, e que depois de feito o pagamento solicitado eles iriam ressarcir a vítima.

Em um dos casos, a quadrilha se passou por um ministro e contatou o presidente de uma associação comercial do interior de São Paulo dizendo que estava com uma demanda na cidade vizinha.

Em seguida, disse que uma pessoa ligada a ele faleceu em tal local e que precisava passar alguns recursos financeiros para a família, mas não estava conseguindo efetivar a transação financeiras e pedia para que alguém da associação fizesse por ele, prometendo a devolução do valor.

Um fato que chamou a atenção dos investigadores é que os estelionatários tinham conhecimento da agenda das autoridades públicas pelas quais se passavam, pois tal ministro teria tido um compromisso político naquela mesma região dias antes, e a associação comercial vítima teria participado desse encontro.

Investigação durou seis meses

Os fatos passaram a ser apurados pela 5ª DP após alguns dos ministros terem procurado a delegacia para comunicar a prática de crimes usando os nomes deles.

Após 6 meses de investigação, os policiais da 5ª DP, com o auxílio das polícias civis de Pernambuco e da Paraíba, além de informações de gabinetes de alguns ministros, conseguiram identificar dez integrantes do grupo criminoso, todos residentes nos dois estados nordestinos.

Na operação deflagrada nesta terça, foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão em Recife e um em João Pessoa, nos endereços residenciais dos investigados.

Os policiais ainda tentam identificar o número de vítimas enganadas e de autoridades públicas utilizadas pelo grupo criminoso, como também quantificar o total de lucro obtido com os crimes perpetrados e o destino dado a tais valores.

Os autores estão sendo investigados pelos crimes de fraude eletrônica e associação criminosa.

Por cada fraude cometida, os suspeitos podem pegar de 4 a 8 anos de prisão.

A pena pelo crime de associação criminosa é de 1 a 3 anos de prisão.