Seja bem-vindo. 22 de maio de 2024 03:06
Previous slide
Next slide

VÍDEO; Mulher “fica ferida ao cair em buraco” causado pelas chuvas em Valparaíso.

No momento do acidente a mulher sofreu um corte na perna, ela estava com duas crianças que por pouco não foram levadas pela enxurrada, ela foi socorrida por moradores do condomínio próximo.

O fato ocorreu na rua São Paulo Qd 02, Com a chuva que caiu na noite de sábado 06/01 ás 19;30 hs, uma mulher que mora no setor de chácaras lutava contra o mal tempo pra chegar em casa quando aconteceu o acidente, nas imagens registradas pelos moradores, mostra o exato momento que uma mãe e dois filhos caminhavam pela rua no setor de chácaras anhanguera próximo ao condomínio Mabel pisa em falso no buraco e cai derrubando as crianças.

Ela trazia em sua mão uma caixa de papelão que fazia como guarda-chuva para proteger os filhos, durante o trajeto ouve a queda, mesmo ferida na perna, a mulher luta para segurar as crianças, moradores que registravam imagens no local correram para ajudar a senhora, ela foi levada até a portaria do condomínio junto as crianças para se recuperar do susto e retomas as forças.

Moradores disseram que chamariam o Samu para socorrer, mesmo assustada a mulher dispensou ajuda e seguiu para casa. Segundo testemunhas, tudo ocorreu depois que a mãe, pisou em falso em um buraco, testemunhas ainda relataram que o local está intransitável, por pouco as crianças teriam sido carregadas e levadas pela chuva.

Buraco aberto em pista “suga” carros durante chuvas no DF.

Vídeos registrados por moradores do bairro Guará Park flagraram momentos em que carros ficaram presos após caírem em buraco aberto em pista

Imagens registradas por moradores do Guará Park – bairro entre Águas Claras e o Guará – flagraram momentos em que um buraco aberto em uma via da região “sugou” carros que passavam pela área.

Em um dos vídeos, gravado na manhã desta quarta-feira (3/1), é possível ver veículos presos e a presença de bastante lama no local.

Pedestres e ciclistas também têm enfrentado prejuízos após as chuvas que atingiram o bairro nesta semana, segundo moradores. Apesar dos riscos, ninguém se feriu.

Um morador do Guará Park afirma que o problema afeta a população desde abril de 2023, após a retirada de parte do asfalto de uma via do bairro para instalação do sistema de águas pluviais.

As atividades, que deveriam durar dois meses, segundo ele, têm se arrastado, e o período de chuvas levou à abertura de buracos na pista. Além disso, a precipitação provocou a formação de lama, o que dificulta a visualização do asfalto durante as enxurradas

“Os problemas que vieram resolver não foram sanados e levaram a outros. Hoje, a situação é de risco total. As casas dos condomínios também sofrem com os impactos das obras. Com as chuvas, temo pelo pior”, afirmou o morador, que pediu para não ser identificado.

Chuva forte: carro cai em buraco e motorista é resgatada por bombeiros

Ocorrência foi registrada por volta das 18h dessa terça-feira (2/1), na Quadra 5 de Arniqueira. CBMDF retirou a condutora, sem ferimentos

As fortes chuvas que atingiram o Distrito Federal nessa terça-feira (2/1) causaram estragos em diversas regiões administrativas. Em Arniqueira, a motorista de um Renault Kwid precisou ser retirada do veículo pelo Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF), após cair com o carro em um buraco.

O caso aconteceu na Quadra 5, por volta das 18h. O CBMDF informou que a corporação foi acionada depois que o automóvel foi arrastado pela enxurrada e ficou preso em um buraco na via.

Os militares auxiliaram a condutora a sair de dentro do veículo. Ela não sofreu ferimentos.

Árvore cai e atinge 18 carros durante tempestade no DF; veja vídeo

Segundo o Corpo de Bombeiros do DF, nenhuma pessoa foi atingida pela árvore. Caso ocorreu na 616 Sul

Após a forte chuva registrada em diversos pontos do Distrito Federal na tarde desta terça-feira (31/10), uma árvore caiu sobre 18 carros em um estacionamento na Asa Sul. Apesar dos danos materiais, nenhuma pessoa se feriu.

De acordo com o Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF), a ocorrência foi registrada na 616 Sul, no estacionamento do Centro Clínico Linea Vitta.

 

DF tem 200 áreas de risco no período chuvoso, aponta Defesa Civil

O tenente-coronel José Genilson dos Santos, da Subsecretaria do Sistema de Defesa Civil, conta como atuam as equipes multidisciplinares na prevenção e na gestão de desastres provocados pelas chuvas no DF.

Dezessete órgãos do governo e as 35 administrações regionais trabalham para alinhar medidas preventivas e de pronta resposta às possíveis ocorrências de desastres na época de chuvas. No último relatório do Serviço Geológico Brasileiro, feito ano passado, com a colaboração da Coordenação de Gestão de Riscos de Desastres (SSP-DF), foram mapeados 22 pontos de risco no Distrito Federal.

Em entrevista ao Correio, o tenente-coronel José Genilson dos Santos, coordenador de Gestão de Risco de Desastres, da Subsecretaria do Sistema de Defesa Civil (Sudec), que é vinculada à Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP-DF), comentou sobre o assunto.

Onde ficam os pontos de maior risco no DF?

Os pontos estão situados nas regiões administrativas de Arniqueira, Fercal, Núcleo Bandeirante, Vicente Pires, Planaltina, Riacho Fundo I, Sobradinho II e Sol Nascente e Pôr do Sol. O relatório é entregue à Secretaria de Governo do Distrito Federal para orientar os trabalhos das equipes técnicas. A Defesa Civil iniciou novas visitas aos locais catalogados para verificar a evolução, reclassificar o grau de risco e identificar possíveis novas áreas. O trabalho é realizado em parceria com as administrações regionais. Após concluído, será possível obter o panorama atual, a poligonal das residências em risco e a estimativa populacional para que sejam tomadas as ações de mitigação.

Como é a atuação com as populações das regiões de risco?

A Defesa Civil atua executando ações preventivas, de socorro, assistenciais e recuperativas, destinadas a evitar ou minimizar desastres, apoiando as ações dos órgãos de emergência, que realizam as primeiras intervenções.

 

Qual é o efetivo total da Defesa Civil e como ele é distribuído?

 

O efetivo total é de 46 servidores. A responsabilidade do mapeamento das áreas de risco é uma das atribuições da Coordenação de Gestão de Risco de Desastres (Coged), que possui atualmente 15 agentes. Além disso, contamos com um plantão operacional de dois militares de serviço de 24h, todos os dias. Em caso de emergência, é acionado o plano de chamada, sendo acionado o número de agentes de acordo com a demanda necessária.

 

Como é o diálogo com outras áreas da Segurança Pública?

Além da SSP-DF, todos os órgãos do GDF com competência nos assuntos abordados no mapeamento e até mesmo empresas privadas trabalham em conjunto. São diversos grupos de trabalho para tratar das situações. Os principais órgãos que participam são as administrações regionais, secretarias de Cidades, Obras e Desenvolvimento Social, Novacap e as forças de segurança.

 

Há alguma ação pontual em andamento para lidar com essas áreas? Se sim, como funcionará?

 

As áreas são mapeadas e o acompanhamento da evolução dos riscos é feito anualmente. Além disso existe o grupo interinstitucional para o enfrentamento de situações de emergência, em razão do período de chuvas ou de acidentes naturais.

 

Qual verba foi destinada à Defesa Civil em 2023? Isso é suficiente para custear o cuidado com essas áreas de risco?

 

Vídeo: Chuva bastante forte carrega veículo na cidade de Valparaíso O final de tarde desta quarta-feira

Vídeo: Chuva bastante forte carrega veículo na cidade de Valparaíso

O final de tarde desta quarta-feira 22/02/2023,  ficou registrado em Valparaíso por uma das chuvas mais fortes da todos os tempos, foi o maior volume de chuva registrado na história que deixou rastros e prejuízos espalhados pela cidade.

O fato aconteceu nesta tarde de quarta-feira ( 22), por volta das 18h20. Que chamou-me a atenção que a situação foi de uma vendedora da ‘Óticas Panorâmicas’, que trabalha no município de Valparaíso de Goiás no Anhanguera ” C”, más a mesma reside no Riacho Fundo II DF, alega conhecer pouco o local que trafegava com o seu veículo da marca Ford-Ka 2020, cor branca, a mesma transitava pelo bairro Setor de Chácaras Anhanguera ” A”, Rua Guajajaras-(Quadras 11 a 16) quando de repente ao se deparar com uma forte correnteza de água devido a chuva, segundo, Renata Cristiane Fernandes de 44 anos, sustenta que tentou de tudo para sair do local, mas não teve jeito, dentro do carro presenciou sendo arrastado pela forte correnteza até cair em um buraco, para sua sorte foi retirada do veículo por um morador que estava no local.

Segundo Renata tudo aconteceu muito rápido, assim que ela foi retirada do veículo a tromba d’água saiu arrastando o seu carro capotando o veículo até parar com as rodas para cima,“ Ao sair do trabalho,  me deparei onde a  enxurrada estava muito forte, mudei de rua,  eu trafegava pela pista quando começou a chover mais ainda… foi ai que observei que a chuva estava aumentando bastante,  nisso tentei sair do local onde a enxurrada passava, tentei desviar do porte mas meu carro começou a boiar perdi o controle total da situação e fui levada pela enxurrada”.


A vendedora chora ao dizer que paga prestações do veículo, e que não sabe como irá fazer… o veículo não tem seguro nem qualquer outro tipo de proteção veicular,” vou correr atrás do meu prejuízo, naquela momento eu pensava que iria morrer,  meu veículo e meu meio de trabalho ” Disse Renata ainda assustada com toda situação, logo hoje que a mesma faz aniversário.

Em nota de esclarecimento da Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbano e Habitação diz;

“Em todo o país as fortes chuvas têm ocasionado diversos transtornos e perdas irreparáveis.

Na tarde desta quarta-feira, 22 de fevereiro, nosso município foi atingido por um volume pluviométrico acima do esperado, acarretando transtornos aos moradores.

A Secretaria Municipal Infraestrutura, Habitação e Serviços e o Governo de Valparaíso de Goiás informam que estão com equipes de trabalho em regime de plantão.

A Defesa Civil, Corpo de Bombeiros e equipes técnicas da pasta também foram acionados para avaliar danos estruturais e para promover a mitigação dos estragos.

É importante destacar que em vários pontos do nosso município, obras de drenagem de águas pluviais já foram iniciadas para evitar que situações assim ocorram futuramente.

Temos trabalhado diuturnamente para melhorar a infraestrutura de Valparaíso, e não pouparemos esforços para que as chuvas deixem de causar transtornos em nossa cidade”. Conclui .

Nos últimos dias, tem chuvido mais do que esperado, exemplo da triste tragédia das chuvas que devastaram o Litoral Norte de São Paulo durante o fim de semana deixaram mais de 40 pessoas mortas. O último balanço divulgado pela Defesa Civil do estado de SP registra 47 mortes em São Sebastião, cidade mais atingida da região, e uma em Ubatuba. Estradas foram interditadas e seis cidades estão em estado de calamidade.

SP 055 Rodovia Rio-Santos Equipes seguem trabalhando nos locais das quedas de barreira e árvores na região de Juquehy (km 174+500). Pelo monitoramento realizado pelo nosso drone, é possível observar o tamanho dos danos e o trecho atingido.

As obras do complexo anhanguera, que está em andamento,  um investimento de mais de 61 milhões de reais pelo governo atual, poderão amenizar o sofrimento das pessoas que a anos sofrem com esse gargalo que começou na época da ex-prefeita Leda Borges.