Seja bem-vindo. 19 de maio de 2024 23:35
Previous slide
Next slide

Caso Amélia Vitória: polícia prende e indicia novo suspeito por estuprar e matar menina que desapareceu ao sair para buscar irmã em escola

Janildo da Silva Magalhães foi indiciado pela Polícia Civil como autor dos crimes contra a estudante. O envolvimento do pedreiro de 47 anos, que estava preso como possível autor, foi descartado.

A Polícia Civil concluiu as investigações do caso da adolescente Amélia Vitória, de 14 anos, que foi raptada e morta após sair de casa para buscar a irmã na escola, em Aparecida de Goiânia. Um novo suspeito, identificado como Janildo da Silva Magalhães, foi preso e indiciado pelos crimes contra a menina. O envolvimento do pedreiro, de 47 anos, que estava preso como possível autor, foi descartado.

Relembre o caso

Amélia desapareceu na quinta-feira (30) após sair de casa para buscar a irmã na escola, no Residencial Astória. A família contou que só percebeu que a adolescente sumiu após a escola ligar e dizer que ninguém havia aparecido para buscar a irmã dela. Segundo a tia, neste dia, a bicicleta de Amélia havia estragado e, por isso, ela foi andando. Além disso, não levou o celular por causa da chuva.

“Nós refizemos o caminho, ligamos para as amigas dela, pedimos imagens das câmeras no caminho”, afirmou Cristiane.

De acordo com a família, como Amélia não era uma menina rebelde, ela não tinha motivos para fugir. “Não tem namoradinho nenhum. Não foi por rebeldia, até porque não era o perfil dela. Ela sempre foi bem tranquila, muito calma, nunca deu trabalho nenhum”, destacou Cristiane. A família denunciou o sumiço à polícia, que começou a procurar pela adolescente com apoio do Corpo de Bombeiros.

Após saber sobre o desaparecimento de Amélia, a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) começou a investigar o caso e os bombeiros iniciaram as buscas. Câmeras de seguranças registraram a adolescente caminhando pelas ruas antes de desaparecer. Último vídeo mostra ela em uma região há cerca de 10 minutos do colégio.

Com ajuda de cães farejadores, a polícia identificou o cheiro da jovem em uma casa, que fica dentro de uma região de mata, a poucos metros da rua onde ela foi vista pela última vez. As buscas por Amélia continuaram pela mata.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *