Seja bem-vindo. 25 de fevereiro de 2024 13:23
Previous
Next

Cafetina é presa por tráfico humano e organização criminosa em Valparaíso de Goiás

Cafetina é presa por tráfico humano e organização criminosa em Valparaíso de Goiás

Segundo a polícia, a cafetina dava abrigo para garotas de programas transexuais e depois as maltratava.

Em operação que investiga um esquema de disputa de pontos de prostituição e rufianismo, a Polícia Civil de Goiás (PC GO) prendeu uma mulher transexual, conhecida como Juliana, que era cafetina e obrigava prostitutas a repassarem R$ 100 diariamente para permanecer no ponto. O caso aconteceu na cidade de Valparaíso, nas proximidades do Distrito Federal.

As garotas de programa são, em sua maioria, transexuais e costumavam sofrer agressões como socos, facadas, puxões de cabelo e corte na alimentação caso não entregassem a quantia diária. Conforme a Polícia Civil, pessoas ligadas à cafetina devem tentar recuperar os pontos comandados e dar continuidade às explorações sexuais com as prostitutas, que rende, em média, aproximadamente R$ 800 de comissão por dia.

Juliana agia dando abrigos à várias mulheres trans, que em sua maioria, eram garotas de programa de outros estados. Ao chegarem no município, a cafetina as trancava e mantinham em situação análoga à escravidão, os documentos das vítimas também eram confiscados e eram agredidas com um taco de beisebol caso tentassem fugir.

Segundo as investigações, os programas feitos pelas prostitutas valia entre R$ 80 e R$ 100, a depender da garota e do cliente. Os atos aconteciam em carros ou em ruas escuras da cidade.

Uma resposta para “Cafetina é presa por tráfico humano e organização criminosa em Valparaíso de Goiás”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *