Seja bem-vindo. 21 de abril de 2024 02:21
Previous slide
Next slide
Previous slide
Next slide

Preso na Papuda é condenado por tentar matar companheiro de ala

Manoel Marcos deverá continuar preso e não poderá recorrer em liberdade.

O Tribunal do Júri de Brasília condenou um detento a seis anos e quatro meses de prisão, por tentar matar outro interno com golpes de “estoque” (espécie de arma branca artesanal), no interior do estabelecimento prisional em que cumprem pena. Manoel Marcos Alves da Silva deverá cumprir a nova pena em regime inicial fechado.

O crime aconteceu na tarde de 8 de novembro de 2022, no interior do Centro de Detenção Provisória – CDP 1, no Complexo Penitenciário da Papuda, um dia após Manoel receber ameaças da vítima contra ele e seus familiares. No dia das ameaças, a vítima encontrava-se entorpecida pelo uso de remédios.

Na análise do processo, a Juíza Presidente do Júri observou que o réu possui antecedentes, com quatro condenações definitivas, duas delas envolvendo violência ou grave ameaça contra a pessoa. A magistrada também registrou que o comportamento da vítima apurado nos autos não pode ser considerado como determinante para a prática do delito.

Nesse sentido, a Juíza falou que “a reação do réu foi bastante desproporcional à injusta provocação, diante da notória dificuldade de que a ameaça se concretizasse, já que o ofendido estava entorpecido no momento em que as realizou, tendo informado em juízo que sequer se lembrava do diálogo que manteve com o réu, além de que se encontrava preso e não conhecia a família do acusado”.

Preso que teve cabeça esmagada por lutador tem morte cerebral

André da Silva Lopes, 26 anos, teve o crânio afundado e a cabeça dilacerada pelo colega de cela. O motivo teria sido um furto de bermudas

O detento que teve a cabeça esmagada por um lutador de MMA com 40 socos, no Complexo Penitenciário da Papuda, sofreu morte cerebral, no último sábado (20/1). O óbito foi confirmado pela Secretaria de Administração Penitenciária do Distrito Federal (Seape), nesta quinta-feira (25/1). O interno ficou nove dias internado em estado grave.

André da Silva Lopes, 26 anos, dividia a cela 10 da Ala G, no Presídio do Distrito Federal II, com o lutador Caio Henrique Batista da Silva, 29 anos. A vítima levou 40 socos e sofreu afundamento no crânio, além de ter a cabeça dilacerada. O espancamento aconteceu no dia 11 de janeiro.

“A Secretaria de Administração Penitenciária do DF foi informada, pela equipe médica que acompanha o estado de saúde do custodiado A.S.L, que por volta das 13h18 desse último sábado, o quadro de saúde do custodiado evoluiu para morte encefálica”, informou por meio de nota a pasta.

Em depoimento, Caio contou ter agredido o colega de cela após uma discussão envolvendo o suposto furto de duas peças de roupa.

Aos policiais, o presidiário disse que levou um soco de André após confrontá-lo sobre onde estariam as bermudas. Após supostamente ser agredido, Caio disse ter partido para cima do colega de cela, o atingindo com pelo menos 40 golpes na cabeça e no tronco. Logo em seguida, teria começado a gritar que havia um interno passando mal.

Um médico que integra a equipe de saúde da Papuda constatou a gravidade dos ferimentos, e o Corpo de Bombeiros do Distrito Federal (CBMDF) foi acionado. Depois de constatarem que o preso corria risco de morte, ele foi socorrido de helicóptero para o Hospital de Base do DF (HBDF).

Aos policiais penais, o detento disse que havia agredido o outro interno em razão do furto das bermudas e não expressou nenhum arrependimento pelos fatos, tendo afirmado que “arrebentou ele mesmo”. Caio relatou, ainda, que se André não fosse socorrido para o hospital ele “morreria lá mesmo”.

O autor do espancamento cumpre pena há nove anos pelos crimes de assalto, porte de arma e receptação e nunca havia brigado com outros presos.

No dia do ocorrido, Caio foi encaminhado à 30ª Delegacia de Polícia (São Sebastião). Ele permanece preso e à disposição da Justiça.