Seja bem-vindo. 24 de junho de 2024 04:50
Previous slide
Next slide

Polícia civil pede para justiça quebra de sigilo telefônico de pedófilo em valparaíso.

Segundo apurado, a polícia busca por conteúdos armazenados no aparelho para identificar outros crimes.

Nossa equipe apurou que o homem acusado de pedófilia preso durante operação da PCGO, cometia os crimes a pelo menos vinte anos, o inquérito formalizado pela polícia civil e remetido ao MPGO aponta que o acusado além de abusar das vítimas relatadas no inquérito, o  acusado tenha sido autor de vários outros crimes desta mesma natureza.

O acusado trabalhava em um  supermercado e por muitas vezes aproveitava do cargo para se aproximar das vítimas, funcionárias do local onde o acusado trabalhava, confidenciou que o homem demonstrava por muitas vezes atitudes estranhas porém ninguém teria dado flagrante dele tocando em ninguém, ” ele era muito comunicativo, prestativo até parecia uma pessoa boa, mas por algumas vezes observamos como ele olhava as crianças e mocinhas que entrava no mercado,  ” disse uma amiga de trabalho que pediu sigilo com medo de represálias”.

A justica autorizou a quebra de sigilo feito pela polícia que irá fazer uma perícia no aparelho.

Relembre o caso 

EDSANDRO PEREIRA DA SILVA, de 44 anos. Pelo que foi colhido, o autor seria vizinho das vítimas em um condomínio residencial neste município, tendo abusado sexualmente de seis crianças, entre 04 a 13 anos de idade. Os fatos mais recentes ocorreram em março de 2024.

As infantes informaram que o investigado aproveitava enquanto estas brincavam no condomínio para colocá-las no colo e assim tocar em seus seios e beijar suas bocas, fatos que ocorreram por diversas vezes, sendo descoberto recentemente pelos seus responsáveis que se uniram para prestar depoimentos nesta delegacia.

O investigado, ao tomar conhecimento que os seus atos libidinosos, foram descobertos tomou rumo ignorado. Com base em tais informações, a Autoridade Policial responsável pelo inquérito, representou pela prisão do agente, a qual fora deferida e cumprida nesta data.

Em sua defesa, o interrogado negou ter abusado das crianças, sustentando que se tratava de mera brincadeira entre estas e que “as colocava no colo e perguntava se estas gostassem investigado que desse um beijo na bochecha apenas”. O aparelho celular foi apreendido.