Seja bem-vindo. 14 de junho de 2024 06:54
Previous slide
Next slide

Professores da rede pública paralisam nesta 4ª para assembleia geral

Categoria iniciará mobilização para reivindicar reajuste de 19,8%, percentual referente às perdas inflacionárias dos últimos cinco anos

Professores e orientadores educacionais da rede pública de ensino do Distrito Federal farão assembleia geral com paralisação nesta quarta-feira (20/3), às 9h, na área do Eixo Cultural Ibero-Americano (antiga Funarte). No encontro, a categoria dará início às mobilizações pela Campanha Salarial 2024, com reivindicação de reajuste de 19,8%.

A atualização da remuneração é necessária para recuperar as variações decorrentes da inflação no período de janeiro de 2019 a dezembro de 2023, segundo o Sindicato dos Professores no Distrito Federal (Sinpro-DF).

“O percentual de 19,8% repõe as perdas inflacionárias do governo Ibaneis Rocha. Esse índice é imprescindível para que nossa categoria tenha um salário compatível com as necessidades básicas do dia a dia. Há tempos temos um abismo entre o que se ganha e o que se precisa comprar para viver”, destaca Márcia Gilda, uma das diretoras do sindicato.

Neste ano, a campanha salarial da categoria tem como lema “Recompondo perdas. Rumo à meta 17”. O objetivo é mostrar que, paralelamente à cobrança pela recomposição salarial, os educadores exigem o cumprimento da 17ª meta do Plano Distrital de Educação (PDE).

A política prevê a equiparação do vencimento básico de professores à média da remuneração das demais carreiras de servidores públicos do Distrito Federal com nível superior.

Com base em dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Econômicos (Dieese), o sindicato destacou que a inflação dos últimos cinco anos ficou em 33,3%. No entanto, o reajuste salarial dos educadores acumulado de abril de 2022 a dezembro de 2023 foi de 11,3%.

aguarda posicionamento da Secretaria de Educação (SEEDF) para saber como ficou o planejamento em relação às aulas desta terça-feira (19/3).

Metrô-DF não vai circular neste domingo (2) para manutenção

Metrô-DF não vai circular neste domingo (2) para manutenção

Companhia fará ações preventivas nos trilhos, além de outras atividades, como capina e podas de árvores

A Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF) informou, nesta quarta-feira (28), que não haverá circulação de trens neste domingo (2). O serviço voltará na segunda-feira (3), às 5h30. Segundo a concessionária que administra o Metrô-DF, no domingo, será realizada mais uma etapa do serviço de socaria, que consiste em compactar todo o lastro (brita), que se encontra sob os dormentes de forma mecanizada.

O objetivo é o ajuste dos trilhos, proporcionando mais segurança e conforto para os usuários. Cerca de 200 toneladas de lastro serão distribuídas ao longo da via.

O Metrô-DF aproveitará a ocasião para fazer manutenções preventivas nos trilhos, nos aparelhos de mudança de via, grampos e dormentes. Os trens também receberão manutenções pontuais necessárias. Além disso, a companhia dará continuidade às atividades de roço e capina e poda de árvores ao longo das vias.

Vídeo: Mais de mil vigilantes denunciam atraso de pagamentos e férias no DF

Mais de mil vigilantes denunciam atraso de pagamentos e férias no DF

Segundo o sindicato, aproximadamente, 40 profissionais foram demitidos e não receberam os pagamentos dos direitos trabalhistas devidos

26/12/2022 17:01, atualizado 26/12/2022 17:01

Material cedido ao Metrópoles
Vigilantes contratados pela empresa Visan, para a proteção de órgãos públicos brasilienses e do governo federal, denunciam um atraso generalizado de pagamentos por parte dos empregadores. O trabalhadores protestaram nesta segunda-feira (26/12). Em alguns casos, os atrasos chegam há 1 ano.

 

Segundo o Sindicato dos Vigilantes do Distrito Federal, mais de mil profissionais são afetados. De acordo com a instituição, há atrasos de direitos trabalhistas referente a demissões, salários, férias, cobertura de férias e benefícios.

Mais sobre o assunto
Empresas ligadas a distrital e ex-senador abrem guerra por contrato de vigilância no DF
UnB inaugura primeiros postes de segurança no Campus Darcy Ribeiro
Aproximadamente 40 vigilantes demitidos não receberam os pagamentos devidos. Pelas contas do sindicato, mais de 300 profissionais escalados para a Secretaria de Saúde do DF estão entre os prejudicados.

Há casos de três meses de atraso de tícket alimentação e férias, desde outubro. Para o sindicato, há um problema crônico na cobertura do descanso anual remunerado, com atrasos de mais de um ano.

“Nós calculamos uma dívida de aproximadamente R$ 2 milhões somando todos os vigilantes. Tem vigilante esperando o pagamento de R$ 30 mil por cobertura de férias”, contou o diretor do sindicato Gilmar Rodrigues.

MPT
Segundo o sindicato, o Ministério Público do Trabalho (MPT) identificou a contratação irregular de vigilantes do quadro efetivo para a cobertura de férias. Por isso, em agosto, a Visan teria escalado um quadro de 160 profissionais para a cobertura.

Por enquanto, os vigilantes escolheram apenas protestar e denunciar as supostas irregularidades, mas não descartam futuramente convocar uma assembleia e deflagrar uma greve.

Em contato com a Visan. Segundo a diretoria, a empresa está empenhada em resolver a questão das rescisões rapidamente. Os primeiros pagamentos estão previstos para esta segunda-feira (26/12).

Segundo o advogado Luiz Egidio, representante da Visan, as demais denúncias do sindicato não procedem. “A empresa, de fato, tem encontrado algumas dificuldades, contudo, os problemas se restringem a alguns funcionários”, afirmam.

De acordo com o defensor da empresa, os atrasos mencionados decorrem, quase em sua totalidade, ao atraso no repasses das verbas pelos tomadores de serviço. “E também, em decorrência de problemas ocasionados pela pandemia, em especial, por força da necessidade imprevisível de coberturas”, completou.

Na versão da empresa, as coberturas não foram repassadas pelos tomadores, o que teria gerado um desequilíbrio de caixa. A Visan alegou que o problema está sendo solucionado.

Segundo a Secretaria de Saúde, os pagamentos com a Visan estão em dia. A pasta vai apurar se há eventual atraso de repasse de salários e benefícios aos funcionários.

DF/GO- Rodoviários do Entorno fazem paralisação por falta de pagamento

DF/GO- Rodoviários do Entorno fazem paralisação por falta de pagamento

Segundo o presidente do SITTRINDE, a paralisação é por tempo indeterminado e está afetando mais da metade da frota que atende Brasília. Empresas afirmam que estão em “colapso” financeiro

Na tarde desta quarta-feira (7/12), motoristas e cobradores das linhas de ônibus que atendem o Entorno do Distrito Federal decidiram paralisar os serviços. De acordo com uma nota enviada pelo Sindicato dos Rodoviários do Entorno (SITTRINDE), o motivo é que parte dos profissionais não recebeu salários, assim como a parcela referente ao 13º.

Ainda segundo o documento, o sindicato considera a situação como “lamentável” e, por conta da insatisfação dos funcionários com o descaso, decidiu realizar a paralisação “até que sejam adotadas as providências cabíveis para garantir os direitos trabalhistas”.

“E inconcebível que, neste final de ano, os funcionários do serviço de transporte urbano e semiurbano fiquem sem seus salários e 13º. As famílias dependem dessas rendas para o seu sustento”, afirma. “O Sindicato está consciente de todos os problemas enfrentados, mas as empresas assumiram os compromissos com os trabalhadores e devem cumpri-los”, argumenta o texto.

O presidente do SITTRINDE, Jadsom Ferreira Morais, informou que, além dos salários e do 13º, o ticket alimentação também não foi pago por algumas empresas que fazem a linha entre o Entorno e o Plano Piloto. “A paralisação é por tempo indeterminado e está afetando mais da metade da frota que atende Brasília”, apontou. “Tivemos uma reunião com a Anatrip (Associação Nacional das Empresas de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros) hoje (7/12) pela manhã, e eles informaram que não teriam condições de honrar com os compromissos”, comentou.

Sindate convoca enfermeiros e técnicos para paralisação na próxima 4ª

Sindate convoca enfermeiros e técnicos para paralisação na próxima 4ª

A concentração para 4ª Marcha pela Enfermagem está prevista para ocorrer, a partir das 8h, no Museu da República.

Sindicato dos Auxiliares e Técnicos de Enfermagem do Distrito Federal (Sindate-DF) convocou, para a próxima quarta-feira (21/9), a 4ª Marcha pela Enfermagem, além de paralisação dos trabalhos da categoria para a data. A concentração está prevista para ocorrer, a partir das 8h, no Museu da República.

interrupção também ocorre em âmbito nacional e é uma resposta do sindicato diante da suspensão do piso salarial da Enfermagem, determinado na última quinta-feira (15/9), pelo Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com o Sindate-DF, os serviços emergenciais estarão mantidos nos centros de saúde.

O objetivo da ação é pressionar o Congresso Nacional para que encontre as fontes de custeio do piso salarial. Veja anúncio divulgado nas redes sociais.

Caos na Prefeitura de Valparaíso: Funcionários da empresa Green Ambiental estão fazendo paralização em nosso município por falta de pagamento

Caos na Prefeitura de Valparaíso: Funcionários da empresa Green ambiental estão fazendo paralização em nosso município por falta de pagamento

Nesta terça-feira (10), na realidade do município de Valparaíso de Goiás que vive um verdadeiro caos… o que estava ruim pode ficar pior, Mato Alto, ruas cheias de buracos, O segundo dia de paralisação dos funcionários da limpeza que estão sem pagamento segue afetando as atividades municipais de Valparaíso (GO), nesta terça-feira. Um grupo também realizou um ato em frente à sede da empresa.

Os moradores do bairro do Ipanema, em Valparaíso, estão insatisfeitos com as condições do asfalto da região. De acordo com eles, os inúmeros buracos nas ruas têm causado prejuízos, mato alto, lixos nas ruas podem acumular com está situação agora.

Segundo os moradores, o que não faltam são pedidos para a prefeitura arrumar todos esses pontos. “Existem planos, mas até agora não foram executados. A realidade é que não temos resultado nenhum”, disse o José

Prefeitura Municipal de Valparaíso de Goiás, firmou contrato n° 100.066/2021 com empresa Green Ambiental Eireli de CNPJ 10.608.734/0001-01, fundada em 08/01/2009, essa empresa é uma matriz do tipo Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (de Natureza Empresária), de porte “DEMAIS” que está localizada em Valparaiso De Goias – GO. O valor estimado do serviço prestado entre o município e a empresa em vigor é de R$ 11.165.610,82, com as datas de 2021 até 2023.

Contratação da empresa especializada na execução de serviços de conservação de pavimentos diários (“TAPA BURACOS”), limpeza e recuperação de boca de lobos, manutenção e reparos meios fios sarjeta conforme a documentação enviada pela secretaria Municipal de Infraestrutura e habitação e serviços Urbanos para atender as necessidades da comunidade .

“O pagamento era para ter sido feito na sexta-feira (06), que é o quinto dia útil. Já teríamos que ter recebido na sexta-feira. Mas essa além de não pagar na data, a gente liga para ter informações, mas não respondem. Nem falam qual a previsão de pagar”, diz, sob condição de anonimato, uma funcionário que atua na empresa terceirizada há três anos.

Por telefone entramos em contato com o secretário de infraestrutura do município de Valparaíso Marcus Vinicius Mendes, nos informou que ainda realiza o levantamento da situação, que está resolvendo um problema de saúde familiar, mas que irá que irá checar tudo”A situação será regularizada, quando a empresa volta a atuar, vou tentar verificar que houve”, garante a pasta.

Nosso veículo Valparaíso Bem Informado e População Ativa DF/GO, prestamos solidariedade à greve das terceirizadas que, diante deste absurdo, buscam dignidade.