Seja bem-vindo. 14 de junho de 2024 02:28
Previous slide
Next slide

Stalker exige fotos de mulher depilada e faz ameaças por mensagens no Pix

Stalker exige fotos de mulher depilada e faz ameaças por mensagens no Pix

Perseguidor ameaçava mulher, descumpria medida protetiva e pedia foto íntima para saber se ela estava depilada, tendo outra relação sexual

Um homem de 31 anos acabou preso após cometer uma série de violências contra uma mulher com quem já manteve relacionamento. Inconformado com o término, ele fez ameaças de morte, passou a persegui-la, exigiu que ela dissesse senhas do celular e ordenou o envio de fotos íntimas dela, para saber se a ex-companheira estava depilada. Segundo ele, se ela estivesse sem pelos, estaria mantendo relações sexuais com outro homem.

A Polícia Civil deflagrou uma operação para prender o acusado, por meio da 38ª Delegacia de Polícia (Vicente Pires), nessa terça-feira (30/5), após ele descumprir medidas protetivas. A relação durou cerca de dois anos, período em que a mulher, de 36 anos, chegou a tentar terminar, mas sofreu ameaças. Com a separação, o homem chegou a persegui-la em casa, no trabalho, na igreja e até por mensagens enviadas com transferências via Pix.

Ele enviava valores como R$ 0,01 e R$ 0,02, com frases ameaçadoras, alegando que ela estaria dormindo com outra pessoa. Em uma das ameaças, o homem afirmou que, se ela não fosse dele, “não seria de mais ninguém”. Já pessoalmente, chegou a encurralar a vítima na loja em que ela trabalhava, com uma garrafa de álcool nas mãos, dizendo que iria matá-la.

A vítima procurou a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) e relatou crimes como injúria, constrangimento ilegal, lesão corporal e violência psicológica contra a mulher, todos em situação de violência doméstica e familiar. Mesmo após a medida protetiva, ele voltou a persegui-la, a ameaçá-la, com gestos, passando a mão em frente ao pescoço, como sinal de degola.

Localizado no Lago Sul, o stalker estava dirigindo quando a polícia o encontrou. Após receber voz de prisão, o homem acabou conduzido para a 38ª DP, onde foi interrogado e, em seguida, indiciado pelos crimes de perseguição e descumprimento de medidas protetivas de urgência. Somadas, as penas alcançam 5 anos de prisão.