Seja bem-vindo. 29 de fevereiro de 2024 18:34
Previous
Next

“Bala pronta pra ela”: auditor da DF Legal é preso por ameaçar mulher

Segundo a mulher, o investigado não aceitou a separação e disse que, caso ela fosse adiante com o processo, teria uma “bala pronta pra ela”

O juiz Aragonê Nunes Fernandes, do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Brazlândia, decretou na noite dessa terça-feira (16/1) a prisão preventiva do gerente da Secretaria de Estado de Proteção da Ordem Urbanística do Distrito Federal (DF Legal), o auditor Sérgio Pereira dos Santos, investigado por supostas ameaças à ex-companheira.

Após a decisão, o servidor se apresentou na manhã desta quarta (17) aos policiais da 18ª Delegacia de Polícia (Brazlândia) e foi preso.

Conforme a coluna noticiou, na última sexta-feira (12) investigadores da 18ª DP cumpriram mandado de busca e apreensão na casa do auditor e apreenderam três armas de fogo artesanais, do tipo espingarda; uma munição; uma arma de pressão; 38 facas; 13 canivetes e um facão. O mandado de busca foi cumprido no setor tradicional de Brazlândia.

Segundo a vítima, o investigado não aceitou a separação e disse que, caso ela fosse adiante com o processo, ele teria uma “bala pronta pra ela”.

A mulher procurou a PCDF e autorizou a investigação. Foram deferidas pelo juiz medidas protetivas de urgência e o servidor público foi ouvido na segunda-feira.

Em 2023, o auditor foi nomeado gerente de uma diretoria operacional da DF Legal. Pelo cargo de chefia, ele tem a remuneração básica de R$ 21.990,16.

 

Vai morrer”: CAC saca arma e ameaça síndico de condomínio

Episódio ocorreu na 3ª feira, em condomínio de Sobradinho 2. Pelas imagens, é possível ver quando CAC saca arma e a aponta para vítima

Uma discussão entre vizinhos acabou em ameaça com arma de fogo, em Sobradinho 2, na terça-feira (19/12). Um homem de 59 anos aparece nas imagens ao sacar uma arma e a apontar para o síndico do condomínio em que aconteceu o desentendimento.

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) informou que o homem foi identificado, mas ainda é procurado. Ele tem registro de Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador (CAC).

No entanto, quando uma equipe chegou ao local informado, o síndico disse que o CAC havia fugido em um Chevrolet Prisma branco.

Os PMs levaram a vítima para a 35ª Delegacia de Polícia (Sobradinho 2), onde ela registrou boletim de ocorrência por crime de ameaça.

Após ameaçar dar um tiro na cabeça da vizinha, Procurador-geral da Câmara, Kowalsky Ribeiro, é demitido

No dia 13 de julho o Procurador-geral da Câmara, Kowalsky Ribeiro, se envolveu em uma briga com uma vizinha no Edifício Agulhas Negras, no setor Bueno.

A vítima registrou um boletim de ocorrência na 4ª delegacia distrital de Goiânia. A briga começou porquê Kowalsky queria ‘mandar’ em um deposito no 9º andar do prédio, dizendo que era uma propriedade particular dele, ordenado para que a vizinha retirasse alguns objetos do local. Ela afirmou em depoimento que a sala pertence ao condomínio e que todos os moradores do andar tinham costume guardar ali seus pertences.

Irado, Kowalsky teria dito que como Procurador-geral da Câmara de Goiânia tinha poder e influência para prejudicar a vizinha em seu emprego, já que ela é servidora do Tribunal de Justiça de Goiás. Ele ameaçou pedir a cabeça dela para um desembargador no TJ.

Diante da insistência da mulher em também compartilhar o deposito, Kowalsky teria afirmado que enfiaria “uma bala em sua cabeça”.

Três meses depois o caso chegou ao conhecimento público e o presidente da Câmara Municipal, Romário Policarpo (Patriota) assinou a portaria nº 1.190 exonerando o Kowalsky Ribeiro.

Agora resta saber quanto tempo vai durar essa demissão ou para onde Kowalsky será transferido, pois, segundo uma fonte, Kowalsky e Policarpo guardam ‘segredos’ que poderiam abalar as estruturas do parlamento. Em breve voltaremos ao assunto.

Lei Maria da Penha

Kowalsky Ribeiro gosta de ser machão com as mulheres. Ele responde por outro processo, em segredo de justiça, por denuncias que se enquadram na lei Maria da Penha.

Polícia investiga assessor da CLDF por violência contra ex que e moradora de Valparaíso: “Merece uma taca”

Polícia investiga assessor da CLDF por violência contra ex que e moradora de Valparaíso: “Merece uma taca”

Mulher procurou delegacia denunciando violência psicológica, ameaças e intolerância religiosa. Ele chegou a dizer que ela merecia “uma taca”

Um assessor da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) está sendo investigado pela Polícia Civil do Entorno após denúncias de violência psicológica, ameaças e intolerância religiosa contra uma mulher com quem manteve relação. Em uma mensagem que ele enviou para a vítima, o homem chegou a dizer que ela merecia “uma taca”.

Ubiraci da Cunha Nogueira Filho é assessor da Mesa Diretora na CLDF, vinculado ao gabinete do primeiro-secretário, o pastor Daniel de Castro (PP). O servidor é alvo de um processo administrativo em apuração na Casa, acusado em um inquérito aberto na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) de Valparaíso (GO) e está impedido de se aproximar da vítima, após a Justiça conceder medida protetiva de urgência em favor da ex-parceira.

Os fatos que levaram às denúncias são de abril deste ano. A mulher cita que os dois “ficavam” por quase dois anos, mas que o relacionamento sempre era baseado em violência psicológica e intolerância religiosa contra ela, que é filha de santo e frequenta um terreiro de Candomblé. Naquele mês, os dois tiveram uma briga.

“Eu estava no terreiro, ao lado da chácara dele, no Jardim Ingá. Ouvi um barulho, fui lá [na casa de Ubiraci], falei que ele estava sem tempo porque estava na farra com mulher. Ele disse que eu não podia bater no portão dele, me chamou de urubu e falou que, com aquela roupa ‘de bicho’, eu não triscaria nele, que os trajes não eram de gente”.

Além da denúncia de racismo religioso, a mulher relata ameaças de violência. “Ele disse que ia ‘atravessar o dedo’ em mim, que a gente iria conversar ‘da forma dele’ a partir daquele dia”, relata. Em uma mensagem de Ubiraci para a vítima, ele escreve: “Você merece uma taca grande”.

No fim de maio, a delegacia ouviu testemunhas de ambos os lados. Uma amiga da mulher disse que já tinha percebido, ao longo do relacionamento dos dois, situações e brincadeiras que não eram saudáveis, e até orientou a vítima a procurar um tratamento psicológico. Ainda segundo ela, Ubiraci “nunca aceitou a religião” da amiga, dizendo, inclusive, que “não era coisa de Deus” nem algo “bem-visto no meio que ele frequentava”.

CLDF
Na Câmara Legislativa, a última tramitação da apuração aberta no Sistema Eletrônico de Informações (SEI), de 29 de junho, mostra que o processo foi recebido no Gabinete da Presidência. A vítima chegou a solicitar formalmente informações sobre a investigação, após ver que, em determinado momento, o número do procedimento chegou a “sumir” do SEI. Ao buscá-lo, o sistema enviava a mensagem: “Processo não encontrado”.

Ubiraci já esteve em outros cargos públicos. Parente do ex-deputado distrital Cristiano Araújo, ele atuou no gabinete do parlamentar, foi da chefia de gabinete da Administração Regional de Santa Maria, mas acabou sendo exonerado seis dias depois, e ocupou o posto de superintendente do Hospital Regional de Santa Maria (HRSM), por exemplo.

O gabinete do pastor Daniel de Castro foi procurado para comentar o caso, mas não respondeu à reportagem até a última atualização desta matéria. O espaço segue aberto para manifestações.

Outro lado
Segundo Ubiraci Nogueira, o relacionamento com a mulher “não foi nada sério”, os dois se viam “muito raramente” e ele acabou se afastando dela. “Ela mandava muita mensagem. Eu bloqueava, ela ligava de outro número, pedia para desbloquear. Se alguém tiver que fazer denúncia de perseguição, esse alguém sou eu. Ela veio na minha casa sem ser convidada, subiu no muro e filmou minha chácara, tirou foto e me mandou. Já tinha dois anos que eu não estava com ela.”

Colaboração: Metrópoles

Marido é preso duas vezes na mesma semana por ameaçar esposa de morte

Marido é preso duas vezes na mesma semana por ameaçar esposa de morte

Liberado da prisão, agressor tentou se aproximar da vítima e voltou a ameaçar a vítima. Com ele, policiais apreenderam uma arma com 6 balas

Um homem, que não teve a identidade divulgada, foi preso nesse domingo (18/6), após ameaçar a esposa de morte, em uma chácara no Sol Nascente. O criminoso havia sido detido três dias, por porte ilegal de arma e intimidações contra a companheira, segundo a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), mas estava em liberdade.

Marido é preso duas vezes na mesma semana por ameaçar esposa de morte
Liberado da prisão, agressor tentou se aproximar da vítima e voltou a ameaçar a vítima. Com ele, policiais apreenderam uma arma com 6 balas.

Após ser liberado pela Justiça, ele voltou à casa onde morava com a esposa, descumprindo medida judicial que o proibia de se aproximar do endereço, e continuou a ameaçar a companheira. A vítima fugiu para a casa da mãe e acionou a polícia.

Quando chegaram ao endereço informado, os policiais constataram que o agressor estava escondido nas proximidades e ameaçava a esposa por mensagens, devido ao fato de ela ter chamado a polícia.

Além das ameaças, o companheiro da vítima enviou para ela imagens dos carros da PMDF, registradas por uma câmera de segurança.

Por meio das fotos, os policiais conseguiram rastrear o criminoso e prendê-lo novamente. Com ele, os militares encontraram um revolver calibre 38, com seis balas.

O agressor foi preso por violação à Lei Maria da Penha e deve responder pelos crimes de ameaça, resistência e descumprimento de ordem judicial. A 15ª Delegacia de Polícia (Ceilândia) acompanha o caso.